Uma vez estagiário, sempre estagiário.

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

O que o filme Whiplash tem a nos ensinar

Escrito por with 16 comentários
A um tempo atrás assisti este filme Whiplash que no Brasil se chama Whiplash - Em Busca da Perfeição. Posso dizer sem sombras de dúvidas, que é um dos melhores filmes que já assisti em toda a minha vida.

Irei comentar um pouco sobre a história e fazer um paralelo com a atual situação não somente no Brasil, mas em todos os lugares onde o politicamente correto impera.

Andrew é um estudante de bateria de Jazz na qual tem a grande pretensão de ser um dos melhores bateristas do mundo, assim como Buddy Rich. Terence é o professor do conservatório, que espera nada mais, nada menos do que a perfeição. E o filme se passa com Andrew entrando na banda do professor Terence e ralando para conseguir ser o melhor.

A grande sacada do filme é o método de ensino de Terence, que para alguns é duro demais, para outros é horrível e inaceitável, mas que para mim, é o melhor jeito de se ensinar e conseguir retirar o melhor daquele aluno, que acha que está dando o máximo, mas não sabe que tem a capacidade de ir além.

Vou deixar aqui algumas das cenas do filme, portanto se você não gosta de spoiler, assista-o e depois volte para ver os vídeos. Outro detalhe, não consegui encontrar as partes legendadas ou em português.



Neste vídeo podemos perceber como é o jeito de ensinar do Terence. Nada próximo ao que temos hoje nas escolas, já que se ele fizesse algo parecido, teríamos milhares de papais e mamães na escola pedindo para que o professor não só fosse retirado, mas também que fosse linchado, se não preso.

Desde o começo do filme já havia me encantado pelo jeito de ensinar do Terence. É o tipo de jeito que levo a vida na atualidade, onde é oito ou oitenta, sem meio termo. Ou dou total atenção e dedicação para o que estou fazendo, ou simplesmente deixo para lá, e caso tenha tempo vago, vejo se gasto um pouquinho com aquilo. Não existe essa coisa de ser mais ou menos, estar com a cabeça aqui e em outro lugar, porque simplesmente você não irá dar o máximo de si e além disso, não conseguirá ir além do que você pode ir. É duro, mas é a pura verdade.

Quando as pessoas se gabam de fazer duas ou três coisas ao mesmo tempo, eu fico calado, imaginando como é que esta pessoa consegue fazer algo excepcional sendo que ela está focada sempre em mais de uma coisa. Quando cozinho, não consigo ter uma conversa normal com as pessoas, porque sempre perco o fio da meada do que estavamos falando ou demoro muito para responder. Eu foco cem porcento da minha atenção na cozinha, o mesmo para o trabalho e os estudos, mesmo tendo problemas de hiperatividade e tendo que parar várias vezes, mas quando estou fazendo algo é aquilo e pronto.

Mas e dai? Isso não quer dizer que o Terence pode sair por ai batendo na cara das pessoas. Concordo, mas no filme eles apresentam um professor turrão de maneira extrema. Mas mesmo assim, o que acontece quando temos um professor que é mais exigente na faculdade ou no ensino médio? Xingamos e dizemos que ele ou ela tem problemas pessoais e descontam nos alunos. Bom, pode ser que isso seja verdade, mas nem todos são assim. Alguns deles nos forçam a ir além do que imaginamos ser possível para nós mesmos.




Nessa cena onde Terrence conversa com Andrew fica exposto exatamente a ideia de que ele queria que os alunos simplesmente dessem não o melhor, mas o máximo da capacidade deles.

Ok, e onde você quer chegar com isso Estagiário?

Simples... Hoje, vivemos em uma sociedade café com leite, onde devemos tratar todos do mesmo modo, tanto o último colocado quanto o melhor colocado, e se deixar, o primeiro será taxado de não ter fairplay, já que ganhou com grande diferença entre ele o o segundo. É um mundo soft, como diriam os canadenses.

Isso me irrita, porque aqueles que se esforçam não recebem o mérito necessário, e aquele que faz tudo de qualquer jeito, é reconhecido da mesma maneira que o primeiro. Isso é errado, porque isso não cria pessoas mais humanistas, mas sim pessoas mais vagabundas e preguiçosas.

Por isso, quando encontrar algum professor ou mentor mais exigente, faça uma análise mental e veja se é melhor largar tudo, ser apenas mais um aluno medíocre ou utilizar este professor para desabrochar novas habilidades que você não sabia que tinha, ou melhorar ainda mais as que você possui.

Uta!