Uma vez estagiário, sempre estagiário.

quinta-feira, 26 de março de 2015

O dia em que compreendi o verdadeiro significado de compartilhar

Escrito por with 9 comentários
Em uma segunda-feira no final de janeiro, fui para Downtown para comprar algumas coisas que faltavam aqui no apartamento. Estava fazendo algo em torno de trinta graus negativos de sensação térmica, e o ar chegava a queimar o rosto.

Terminado meus afazeres, fui para o ponto de ônibus para voltar para casa. Eis então que surge um morador de rua, pedindo dinheiro. Disse que não comia desde ontem de tarde e estava pedindo alguns trocados para que pudesse almoçar. Ele estava com vários casacos, mas percebi que estava com frio, pois suas mãos estavam tremendo e o medo e a agonia estavam estampados no seus olhos.

Olhei para o relógio, vi que era uma hora da tarde, e que também estava com fome. Percebi que havia um Subway próximo ao ponto de ônibus e então juntei o útil ao agradável, chamei o morador de rua para comer um lanche comigo. Disse que não gostava de dar dinheiro, pois não sabia o que ele poderia fazer.

Na hora que o convidei para comer, seus olhos enxeram de lágrima, e a única palavra que saia da boca dele era "obrigado". Como já havia visto diversas pessoas fazerem isso no Brasil para conseguirem cativar a pessoa que ajudava, não fiquei muito comovido. Então, nos dirigimos para o Subway.

Ao chegar no local, por conta do horário, havia ao menos umas quinze pessoas. Entrei primeiro, acompanhado do sem teto. Rapidamente o gerente veio e pediu para ele se retirar, pois não queria que ele começasse a pedir dinheiro dos clientes, mas antes que ele pudesse terminar de falar, disse que o havia chamado e que iria pagar pela sua comida. O gerente disse que, se ele não importunasse os outros clientes, não haveria problema.

Deixei ele ir na frente e disse para a moça do Subway que iria pagar pelo pedido dele. Foi ai que eu aprendi a minha lição, que me fez me sentir um lixo por não ter acreditado no morador de rua. Primeiro ele pediu o lanche mais barato que havia, de apenas quinze centímetros (o menor tamanho no Subway) e depois, quando foi para pegar o que beber, ele pediu uma água. O pedido dele não deu mais que sete dólares, enquanto somente o meu havia sido mais de onze dólares devido a tudo o que pedi.

Quando sentamos para comer, logicamente dividindo a mesma mesa, perguntei para ele se ele não estava com fome. Ele respondeu que sim, e então perguntei, por que ele não pegou um refrigerante e um lanche de trinta centímetros? A resposta dele foi:
Não quero abusar da sua bondade. Você já está me ajudando demais, me comprando este sanduíche, mas sinceramente, você está fazendo com que eu me sinta uma pessoa novamente, por me chamar para comer junto com você.
Foi a frase que mais me comoveu na vida inteira. Disse pra ele comer o lanche, tentando não derramar as lágrimas do olho, mas então, antes de desembrulhar a comida, ele me perguntou: Posso fazer uma oração antes de comermos? Disse que sim e essas foram as palavras que ele disse:
Obrigado meu Senhor, por esta refeição. Obrigado Senhor por fazer com que eu cruze com este anjo, principalmente neste dia de grande dificuldade. Obrigado por tudo Senhor. Amém.
Neste momento o sem teto não consiguiu conter as lágrimas e começou a chorar. Eu disse que estava tudo bem, mas também estava chorando, já que nunca tinha visto uma demonstração de gratidão tão grande quanto aquela. Terminei de comer e disse a ele que tinha que ir ao banheiro. Pedi um lanche igual ao que ele havia pedido, mas desta vez um de trinta centímetros. Comprei mais duas águas e pedi para a moça colocar em uma sacola. Quando ele estava se levantando para ir embora, perguntei a ele:

 - Você acredita em Deus?
 - Sim.
 - Você acredita em milagre?
 - Sim.
 - Então toma. Um lanche para você comer quando estiver com fome e mais duas garrafas d'água. - Tirei trinta dólares da carteira - E este dinheiro é para você recomeçar a sua vida. Sei que não é muito, mas já é o começo. Deixe Deus com orgulho e tente melhorar sua vida.

Ele me pediu um abraço e me agradeceu pelo menos mais umas dez vezes. Meu ônibus já havia chegado, então corri para não perdê-lo. Corri chorando, de felicidade por ter ajudado alguém, mas também por ódio de mim mesmo, de ter desconfiado de alguém como ele.

Voltei para o centro da cidade várias vezes depois daquele dia, normalmente no mesmo horário e nunca mais encontrei o sem teto. Não sei o que aconteceu com ele. Não sei o nome dele. Nunca mais vi ele. Só sei que eu desejo que ele tenha melhorado de vida, porque ele melhorou a minha. Ele me mostrou o verdadeiro significado da palavra compartilhar. Como uma coisa que para mim é algo banal, pode ser algo tão importante para outra pessoa.

Vejo diversas pessoas que não ajudam ninguém, que julgam assim como eu julgava os outros, ou ainda que simplesmente fazem vista grossa com o pedinte. No Brasil, vejo várias pessoas dizendo que não vão ajudar a ninguém, já que o governo é uma mãe, então que eles peçam para a presidente.

Não tiro a razão deles, porque sei como é difícil ajudar alguém sem saber se esta pessoa irá realmente utilizar o dinheiro da forma correta. Mas ao mesmo tempo, percebi que, a partir do momento que nós ajudamos uma pessoa querendo que ela faça algo que nós queremos, ou que ela retribua o favor, na verdade não estamos fazendo uma bondade. Estamos fazendo negócios.

Portanto, hoje, gostaria que vocês repensassem sobre ajudar alguém, seja com dinheiro, seja com roupa ou comida. Seja para um morador de rua ou uma entidade, mas pense em ajudar... Porque nesta vida, não se conta aquilo que recebemos, mas sim aquilo que compartilhamos.

Uta!

terça-feira, 24 de março de 2015

Encare seus medos

Escrito por with 6 comentários

Tradução:

O homem é o mestre dos pensamentos, o modelador de caráter, o criador e modelador de condições, ambientes e destinos.
A maioria dos homens falham, não por falta de educação ou talvez por suas qualidades, mas por falta de determinação, por falta de força de vontade.
Situações, até mesmo situações dramáticas como falência, divócio, morte ou recessão econômica não podem causar nenhum sentimento até que o cérebro interprete e crie uma história sobre essa triste situação. Tristeza, depressão, frustração, chatiação e ansiedade só podem ser produzidos quando vemos uma situação e produzimos uma interpretação daquilo, e então, acreditamos naquela interpretação. Portanto, você e eu podemos somente ser sobrecarregados por pensamentos sobre algo, nunca pela coisa em si.
Normalmente, aquilo que mais sentimos medo é aquilo que mais devemos fazer. Aquela conversa no telefone, qualquer que seja a ação, é o medo do desconhecido que nos previne de fazer aquilo que precisamos fazer. Defina o pior cenário. Aceite-o. O que vou repetir, você deveria pensar em tatuar na sua testa, "O que mais sentimos medo é aquilo que mais precisamos fazer"!
- Eu não tenho sorte, eu faço a minha própria sorte.
Todas as jornadas acabam, mas nós continuamos. O mundo sempre dá voltas. Planos disaparecem. Sonhos são tomados.
Aqui está o grande desafio da vida: Você pode ter mais do que aquilo que você já tem, porque você pode se tornar melhor do que é. E lógico, o outro lado da moeda é, a não ser que você mude quem você é, você sempre terá aquilo que você tem.
Sucesso é aquilo que você atrai, não aquilo que você persegue. Sucesso procura um bom lugar para ficar. Então, ao invés de ficar atrás dela, trabalhe em si mesmo. Desenvolvimento Pessoal.
Veja, um dos desafios que temos em nossas vidas é que, não vemos que o processo de nos treinarmos, o processo de nos conduzirmos, nos faz sentir incríveis quando estamos no momento inicial. Se você quer realmente mudar, você tem que desistir dessa ideia de tentar algo, você tem que decidir que vai ficar comprometido até atingir a maestria.
A maioria das pessoas não sabem do verdadeiro significado da vida porque eles não querem lutar. A maioria das pessoas não sabem porque elas não querem levar um nocaute, elas não querem ser derrubadas de joelhos, mas você será derrubado se você estiver no campo ou no banco de reserva. Você vai cair. Tome um nocaute para então aprender como lutar para manter sua posição.
Os últimos seis mil anos foi conduzido assim: Oportunidade misturada com dificuldade. Estes são os nossos sonhos. E isso não vai mudar. Devemos aprender como lhe dar com as noites, elas vem depois dos dias. Nós temos que lhe dar com as dificuldades, pois elas vêm logo após as oportunidades. Nós devemos lhe dar com as recessões, elas sempre seguem o progresso. Não deseje que fosse fácil, deseje isso melhor.
[...]
A vida é isso (apontando para baixo)... Eu gosto disso (apontando pra cima).
Encare seus medos e cresça!
Experimente perguntar para seus amigos e familiares estas duas perguntas... Qual é o objetivo da vida de vocês? e após a resposta, pergunte... O que você está fazendo para conseguir este objetivo? Tenho certeza que você se depará com muitas pessoas que possuem grandes objetivos na vida mas que não estão fazendo nada para seguí-los.

A grande maioria não faz nada. Não mudam de emprego, não saem para tentar conhecer gente nova, seja mulheres ou homens, não tentam abrir a própria empresa, não dizem não quando é para dizer e sim quando é para falar. Apenas ficam lá, na inércia do dia a dia... Esperando que um dia, algo caia no colo deles, como um presente dos céus.

Medo. Isso é o que essas pessoas sentem ao imaginar que tenham que arriscar algo na vida, seja um trabalho, dinheiro ou qualquer outra coisa material. Está ai uma dentre as milhares de coisas que eu mudei. O medo é algo que nossa mente cria quando nossa fé em alguma coisa é pequena. O medo é algo que não existe no mundo real, somente em nossas cabeças. O medo é o que corta nossas asas. O problema é que muitas vezes o nosso medo não é de algo que achamos que não podemos fazer, mas sim de algo que sabemos que somos capazes de fazer, de ser melhor do que a média, mas quando estivermos pensamos que talvez, não somos capazes de aguentar a carga quando estivermos lá em cima, e que talvez podemos cair e nos machucar. O medo, é algo que às vezes nos deixa vivo, mas na maioria das vezes é algo que nos impede de viver.

Quero que você, agora, depois de ler esta postagem, pare e pense, você está fazendo algo para chegar no seu objetivo de vida? Sim? Não? Não sabe? Talvez? Responda com sinceridade, e se não estiver fazendo absolutamente nada... Quero que amanhã, você vá em busca do seu sonho, nem que seja ler, se inscrever em um curso, ou algo simples como se desculpar com alguém que você ama. Faça-o, e tire sua vida dessa inércia, porque se continuar do jeito que está... Daqui a alguns anos, garanto a você que irá se arrepender de não ter mudado.

Uta!

quinta-feira, 19 de março de 2015

O jogo, a sedução do dinheiro em minha vida

Escrito por with 16 comentários
Em menos de quatro dias consegui ler o livro O Jogo de Neil Strauss, que possui algo em torno de quatrocentas páginas.

Em resumo o livro comenta como um cara que tinha problemas com as mulheres, se tornou um conquistador, onde conseguia ficar com qualquer mulher que quisesse. O livro relata desde quando ele era uma pessoa normal, passando pelo pico máximo de sua carreira como sedutor, onde conseguiu ficar com diversas mulheres ao mesmo tempo, fazendo ménage à trois, culminando com ele saindo dessa vida pois acreditava que ele estava sendo consumido pelo estilo de vida.

Não irei comentar sobre o livro e seu conteúdo, mas farei um paralelo sobre a vida de sedução de Neil Strauss e a minha com relação ao dinheiro.

Primeiro, podemos dizer que assim como Style (apelido de Neil Strauss) tinha problemas com as mulheres, eu também o tinha com dinheiro, mas ao contrário da maioria das pessoas, sempre tinha problemas de guardar mais dinheiro do que o necessário. Sempre pensava várias vezes antes de comprar alguma coisa.

Assim, quando foi me apresentado a um curso de investimentos, fiquei fascinado pelo assunto. Assim como Style, me aprofundei no tema, buscando novas informações em livros, postagens em blogs, sites de investimentos e até mesmo em vídeo-aulas de como investir meu dinheiro. Sempre estava atrás de uma nova forma de investir, LCI, LH, CDB, fundos, ações, FII, metais preciosos, commodities, etc. Também procurava novos métodos, Buy and Hold, daytrades, swing trades, positon trades, trades de valor, e também outras coisas paralelas como precificação de um ativo, análise fundamentalista, análise técnica, gerencimaneto de risco e todos os tópicos que vemos por ai na blogosfera.

Comecei a ficar tão fascinado com este mundo que mergulhei nele de cabeça. Havia dias que eu ficava até tarde analisando ações e possíveis investimentos, outras vezes, fazia planilhas onde eu colocava os dados da empresa e ela me retornava, se aquela empresa passava pelos pré-requisitos ou não. Comecei a investir mais de 60% do meu salário que era bem pequeno na epoca, já que trabalhava como estagiário. Passava o mês com apenas algumas centenas de reais para poder sair e me divertir até o próximo pagamento.

Durante muito tempo, tentei me aperfeiçoar nos investimentos, tentando encontrar uma maneira perfeita de investir e conseguir um retorno acima da média... E no final do ano passado consegui fazer uma das maiores proezas da minha vida. Em apenas um mês, eu consegui quase que duplicar o meu patrimônio, com um procedimento que havia desenvolvido. É lógico que o procedimento foi arriscado e também pouco recomendado quando dizia que estava para fazê-lo, mas no fim coloquei em prática e o resultado foi muito bom.

Havia conseguido chegar no nível que eu gostaria, que eu ralei e me esforcei ao máximo para chegar, mas quando se está lá em cima, é que você olha para baixo e vê o que você teve que fazer para conseguir chegar onde chegou.

Deixei muitas vezes de sair e curtir com os amigos e minha ex-namorada para juntar dinheiro. Deixei de viver o hoje para tentar viver melhor o amanhã. Deixei outras coisas de lado na minha vida para conseguir um determinado sucesso financeiro. Me afastei de amigos, de colegas e perdi a namorada por conta disso (e de outros fatores também). Neste ano, após eu conseguir acordar com minha epifânia, decidi de uma vez por todas que o dinheiro não mais irá trilhar minha vida. Ele será sim, importante, mas não farei nada com a ideia de obtê-lo como objetivo principal. Percebi que dinheiro vem para pessoas que querem e sentem vontade de trabalhar, mas que o contrário muitas vezes não é verdade.

Decidi que esta ideologia de poupar a qualquer custo fez muito mal para a minha vida. E percebo que muitos dos blogueiros também estão fazendo isso, e digo a vocês... Parem de pensar desta forma! Olhem o que vocês estão sacrificando para conseguir poupar 5%, 10% ou 30% a mais por mês. Vejam se realmente isso vale a pena. Veja onde estão pisando.

É importante poupar? sim, é muito importante, mas também é importante viver, e é por isso mesmo que devemos limitar nossas poupanças tanto para um valor mínimo, quanto para um valor máximo. Se um mês você conseguir poupar mais, então junte com mais alguns meses e faça uma viagem para algum lugar, saia para uma balada mais cara ou para um restaurante mais renomado, ou ainda, nos próximos dias, ao invés de almoçar aquele prato feito do senhor José, onde se você entrar na cozinha não volta mais lá, vá para um restaurante melhor, uma churrascaria ou algo do tipo. Você merece! Você conseguiu juntar essas notas de cem reais então use-as para lhe presentear, ou porque não, presentear alguma outra pessoa, que você conhece ou não.

Aprendi e entendi o que significa a frase, "Na vida, o importante é aquilo que você recebe, mas aquilo que você compartilha", aqui no Canadá. Vou fazer uma postagem sobre algo que aconteceu aqui, mas até lá, eu digo a vocês, não sejam robôs de fazer dinheiro, a vida é muito mais do que isso, é curtir, e muitas vezes, para curtirmos temos que gastar um pouco mais. Tenham uma vida frugal, uma vida onde o dinheiro não dita as regras, apenas lhe ajuda a curtir um pouco mais este pouco tempo que temos andando na superfície da Terra.

Uta!

terça-feira, 17 de março de 2015

Primeiras impressões no Brasil através de São Paulo

Escrito por with 11 comentários
Comentei um pouco sobre como era para um brasileiro, que está acostumado as temperaturas de dez a cinquenta graus viver em um lugar de primeiro mundo como o Canadá que vive em temperaturas abaixo de zero.

Hoje, quero compartilhar três vídeos com vocês, que gostei muito e percebo que a maioria dos gringos fica assim também quando comentamos sobre o Brasil.

Os vídeos foram feitos por um gringa que largou a sua vida na Europa e veio morar no Brasil. Exatamente, o oposto que muitas pessoas querem fazer. Eu fico me pensando, como será que é a vida das pessoas em outros lugares, o dia a dia delas, porque, muitas vezes acreditamos que aquele determinado lugar é melhor para nós, mas no fim... Ele não atende as nossas necessidades.







Acho que podemos dizer que o Brasil possui estes dois lados, o bom, o ruim, o feio, o belo, o pútrido, o vivo, a diferença social, a diferença cultural. É isso que eu gosto no Brasil. Podemos dizer que tudo está errado, que estamos vivendo um caos, mas ao mesmo tempo, temos os lugares mais belos, com as mulheres mais belas, e podemos sair para tomar uma cerveja em um bar depois do expediente. 

O Brasil precisa melhorar muito, mesmo, para conseguir ser um país melhor, mas ainda acho que é um lugar que ainda tem jeito, o que nos falta é um líder, de verdade, que possamos personificar toda força que queremos para poder focar em nossa mudança. Nenhum país é totalmente ruim, ou totalmente bom, e o importante é percebemos que aquele determinado lugar tem as coisas boas que procuramos.

Uta!

quinta-feira, 12 de março de 2015

Como sobreviver a temperaturas negativas

Escrito por with 12 comentários
Uma das coisas que aprendi aqui no Canadá foi como sobreviver a temperaturas extremas. Já cheguei a passar horas ao ar livre em um frio de sensação de trinta graus negativos e alguns minutos em uma noite onde a sensação era de menos quarenta e seis negativos.

O que percebi neste período aqui nas terras do Maple Leaf é que temperaturas abaixo dos dez graus negativos são todas iguais, você irá experimentar algumas sensações não muito agradáveis, semelhante a quando estamos no verão no Brasil a temperaturas acima dos quarenta graus, onde é impossível estar na rua de bom humor.

O motivo pelo qual me levou a escrever esta postagem é porque vejo muito pouca informação para os brasileiros que querem mudar do país seja para viver o resto da vida, ou para fazer intercâmbio ou ainda para fazer uma pequena viagem, sobre como é viver em um país gelado como o Canadá.

Se existe algo que brasileiro não conhece é o frio abaixo de zero. Todas as vezes que conversei com alguém que nunca tinha pegado o termômetro abaixo de zero em um país realmente gelado as respostas eram as mais diversas:

Lá no Canadá você terá que usar cinco blusas. Você nem vai conseguir se mexer de tanta roupa.
Pessoas que moram nestes lugares não sentem frio.
Lugares como esses, as pessoas não saem de casa.
Ouvi dizer que você tem que usar óculos de esquiador se quiser sair no frio. 
As roupas são feitas de pele de castor ou búfalos. 
Sinceramente, o que pensamos que é um lugar que normalmente recebe temperaturas negativas é algo totalmente fora da realidade. Portanto, você que espera ir para fora do país em um lugar onde as temperaturas chegam abaixo de zero, esta postagem é para você.

Ela será dividida em três partes:
  1. Mudanças repentinas. Viagens de curto prazo. Sensações de até menos dez graus.
  2. Do calor ao frio. Vivendo ao longo das estações. Sensações abaixo dos menos dez graus.
  3. Do frio ao calor. Voltando para temperaturas positivas
A primeira parte diz respeito a pessoas que querem passar um período curto em locais frios. Nesta parte comentarei sobre o que você precisa levar, o que esperar e como sobreviver nestes locais. A segunda parte será para pessoas que vão morar em lugares frios por um período mais longo onde poderão pegar a mudança de temperatura, por exemplo do final do outono até o começo do inverno, e a última parte será destinada as pessoas que experimentarão a volta do calor.

Mudanças repentinas. Viagens de curto prazo. Sensações de até menos dez graus.

Você gosta do frio e quer ver a neve pela primeira vez. Comprou uma passagem para Patagônia no dia 21 de Junho, exatamente no solstício de inverno.

Primeira coisa que você deve pesquisar, qual é a média de temperatura e a mínima atingida no último inverno? Essa informação é muito necessária para que você possa entender qual é a temperatura que você terá que suportar no lugar. Não recomendo para pessoas que nunca foram para lugares de clima frio pegarem temperaturas abaixo de menos dez graus negativos.

Para locais onde o frio não passa desta temperatura você precisará levar os seguintes itens:
  • Uma blusa de moletom
  • Uma blusa impermeável, como couro ou blusas de motoqueiro
  • Um par de luvas grossas
  • Uma calça de moletom ou de um tecido quente porém flexível
  • Uma calça jeans
  • Um par de meias grossas
  • Uma bota impermeável
  • Um gorro ou algo para esquentar a cabeça que consiga tapar as orelhas
Em frio abaixo de zero, o que te esquenta não é a quantidade de roupa que você usa, mas sim o que você utiliza. Para se manter aquecido você precisa de duas peças importantes, uma que te mantenha aquecido e outra que bloqueie o frio e a neve. A blusa de moletom irá te deixar quente enquanto a blusa impermeável irá te proteger do vento e da neve que possivelmente poderá grudar em você. As duas calças também tem o mesmo intuito, porém como você irá andar bastante, a calça jeans dará mais mobilidade a você, importando somente manter as pernas quentes com a calça de moletom.

O par de luvar e meias grossas são para evitar que você fique com os dedos congelados, o que ocorre muito facilmente quando você não está acostumado com o frio ou quando você passa muito tempo ao ar livre. Não poupe dinheiro quando o assunto é comprar estes dois itens, pois podem ser de suma importância visto que muitas pessoas sofrem de dedos quase congelados por conta de não ligarem para isso (e não, você não perderá o seu dedo se ele quase congelar, mas se ele ficar roxo e você não perceber... Tenho más notícias para você).

O gorro é outro importante item, já que ele servirá para esquentar sua cabeça e além disso suas orelhas. Para quem não passou pela experiência ainda, deixar as orelhas descobertas em locais de muito frio é um erro grave, pois elas tendem a esfriar mais rápido que os dedos e a dor é literalmente insuportável.

Resumidamente, com estas roupas que podem ser compradas no Brasil mesmo, você poderá passar um bom período em um local onde a temperatura chega a até menos dez graus.

Do calor ao frio. Vivendo ao longo das estações. Sensações abaixo dos menos dez graus.



Vamos imaginar que você irá fazer intercâmbio em algum lugar onde a sensação pode chegar abaixo dos menos dez graus, como Canadá, norte dos Estados Unidos, países escandinávos, Rússia e etc. 

Em locais como esses, não importa a roupa que você comprou para o frio ai no Brasil, ela será inútil neste país. Temperaturas abaixo dos dez graus negativos são temperaturas onde a roupa precisa ser do local onde você vai, pois as pessoas de lá sabem como sobreviver naquele determinado clima, diferentemente do Brasil.

Para estes lugares você precisará comprar:
  • Um par de luvas grossas
  • Um par de meias grossas
  • Uma bota de neve que aguente temperaturas extremas
  • Um casaco de neve impermeável a prova de vento para temperaturas extremas
  • Uma blusa segunda pele
  • Uma calça segunda pele
  • Um gorro que seja quente
  • Uma calça jeans
Aqui você não poderá poupar dinheiro na hora de escolher o casaco e a bota, pois elas serão de suma importância para você poder suportar o frio. A segunda pele também deverá ser de boa qualidade, pois ela manterá o seu corpo quente (para quem não sabe, a segunda pele é uma roupa que normalmente fica grudada no corpo e possui uma habilidade de não deixar o calor do corpo ser perdido).

Nestes locais onde o frio é extremo você precisará pensar em proteção também para a sua pele e para os seus lábios, pois ambos ficarão ressecados do frio e consequentemente podem vir a rachar e causar problemas. Uma manteiga de cacau e um creme resolvem estes dois problemas facilmente.

Outra coisa importante. Todas as vezes que você sair de casa, lembre-se de verificar a temperatura, isso poderá lhe salvar de passar frio desnecessário imaginando que está uma temperatura razoável e no fim a sensação ser de menos vinte com ventos de mais de trinta quilômetros por hora.

Se você for pegar ônibus, certifique-se de ter o horário em mãos para não ficar esperando muito tempo no ponto. Na maioria dos lugares há cabines onde você pode ficar protegido do vento, mas quando o assunto é temperaturas de vinte ou trinta graus negativos, isso não ajuda muita coisa. Portanto, com o horário do ônibus em mãos, você pode ficar em algum lugar aquecido e ir para o ponto somente quando faltar alguns minutos.

Você perceberá que coisas simples como, ir para a aula, fazer compras ou sair para se divertir, tornam-se tarefas árduas, somente pelo fato de você ter que ir para fora. Por isso muitas pessoas começam a entrar em depressão, pois sentem-se prisioneiras em suas próprias casas, pois não da vontade de fazer absolutamente nada. Nestes lugares é importante tomar suplementos de vitamina D já que o Sol só está lá de enfeite e a falta desta vitamina ajuda na depressão.

Do frio ao calor. Voltando para temperaturas positivas

Quando você estiver morando em lugares muito frios por um inverno inteiro, fará festa quando o termômetro indicar que a temperatura está positiva. Irá festejar porque está esquentando e agora está fazendo um grau positivo.

Pode parecer mentira, mas depois de passar um inverno inteiro aqui no Canadá, o primeiro dia de temperatura positiva sem vento, já foi necessário para que eu não usasse mais o casado de frio e colocasse apenas uma blusa de moletom, sem sentir frio.

Com o tempo o seu corpo acostuma com o frio extremo e você não sente mais tanto frio quando a temperatura está entre vinte a zero graus. Neste estágio, você ficará mais feliz pelo fato do calor está voltando e perceberá que o Sol está lá para te esquentar também, não somente para dizer que está de dia.

Porém, também há um pequeno problema. Se você estiver em um lugar frio e voltar para um país tropical no verão, meu amigo, você terá sérios problemas. Falta de ar e suór constante serão duas coisas que irão lhe aflingir até que se acostume novamente com o calor.

Para você que está voltando para o Brasil após um período longo em um lugar frio, recomendo que tente evitar sair no Sol por muito tempo, e lembre-se de tomar muito líquido e passar protetor solar. Dores de cabeça podem ser constantes devido ao calor, mas assim como você se acostuma ao frio, você irá se acostumar novamente ao calor.

Espero que esta postagem ajudem vocês quando estiverem pensando em ir para locais gelados.

Uta!

terça-feira, 10 de março de 2015

Mentores, seja um e arranje vários

Escrito por with Sem comentários
Antes de iniciar a postagem, gostaria que vocês dedicassem vinte minutos do seu tempo para assistir este vídeo de Tai Lopez no TEDx. Nele, Tai comenta sobre um pouco da vida dele e a regra dos 33%. A palestra está em inglês, mas as legendas automáticas estão boas.


Tai Lopez comenta que devemos passar um terço do nosso tempo com pessoas que querem que sejamos seus mentores, um terço com pessoas do mesmo nível que você e um terço com os seus mentores.

Quem são os seus mentores? É muito importante que tenhamos pessoas modelo para seguir, não para se tornar cópia da mesma, mas para aprender com ela, entender o que ela fez para conseguir chegar onde chegou. Um mentor pode ser uma pessoa desconhecida da mídia ou ainda, um ator de Hollywood, não importa quem seja, contanto que ele tenha algo a te ensinar.

Einstein tinha um mentor, Arnold Schwarzenegger tinha um treinador, Mohammad Ali tinha um mentor, grandes pensadores, lutadores, filósofos, estudiosos, muitos deles tinham mentores, pessoas que os guiavam que eles podiam contar para ajudá-los a trilhar o caminho.

Os benefícios de ser e de se ter um mentor são inestimaveis. Quando desenvolvemos uma relação com alguém por conta dos seu know how e pelo seu comportamento diário aprendemos muito com ela, não somente com seu conhecimento mas também como se portar em momentos decisivos. Mentores oferecem orientação, conexões, críticas, e apoio, ou seja, tudo o que uma pessoa precisa para amadurecer.

Exatamente por isso que tenho um grande querer pela maioria dos meus professores. E digo a maioria porque sabemos que temos dois tipos de professores, o que passa a matéria igual a bunda, e está pouco se fodendo para os alunos, e os professores que realmente trabalham para fazer com que seus aluos entendam, aprendam e estão sempre dispostos a ajudar. Não que eles sejam meus mentores, mas com certeza me ensinaram muita coisa e por isso sou muito grato.

Portanto, se hoje você não tem ao menos um mentor recomendo que encontre alguém, para que você possa tirar dela o conhecimento e a fibra que você não tem neste momento.

E para aqueles que perguntam quem são meus mentores:

  • Meu avô
  • Um professor do meu colégio técnico
  • Dois professores da minha faculdade no Brasil
  • Arnold Schwarzenegger, pelo exemplo de vida
  • Sylvester Stallone, pelo exemplo de vida
  • Bruce Lee, pela sua filosofia
  • Einstein e Thomas Edisson, pelo conhecimento e dedicação
  • Stephen Hawking, pelo conhecimento e determinação
  • Mahatma Gandhi, pela filosofia de vida
  • Buda, pelos ensinamentos
  • Mohammad Ali, pela dedicação

Como disse, você não precisa conhecê-los pessoalmente para que eles se tornem os seus mentores, basta aprender com o que eles têm a passar para você de conhecimento, dedicação e filosofia de vida.

E não se esqueça também de ser um mentor para alguém, afinal, você pode ser um exemplo para as outras pessoas também.

Uta!

quinta-feira, 5 de março de 2015

Get Your Shit Together

Escrito por with 4 comentários
Vamos imaginar que você está com resfriado, foi despedido do trabalho, sua namorada largou de você e ainda por cima bateu o carro. Dai as pessoas perguntam como você está, e você responde que está tudo bem. Depois disso você briga com seus pais e ainda por cima chuta o cachorro tentando descontar sua raiva em alguém. É exatamente neste momento que o pessoal aqui no Canadá e nos Estados Unidos dizem uma frase para você:

Go to your home, and get your shit together!
 A frase Get Your Shit Together pode ser traduzida como: Recomponha-se.

As vezes a vida nos dará uma surra tão grande, mas tão grande, que você prefere ficar caído no chão do que levantar e ter que apanhar mais. Não há nada de errado em querer desistir, querer um tempo para respirar antes de levar outra voadora na cara da vida. Mas lembre-se, querer desisitr e desistir são duas coisas totalmente diferentes.



Não é sinônimo de fraqueza sair de cena por um tempo para se recompor, muito pelo contrário, é sinal de que você entendeu que não tem um coração de ferro e que determinadas coisas acontecem em nossas vidas que nos abate tanto, mas tanto, que temos que dar um tempo para colocar as coisas no lugar.

Para alguns, um termino de relacionamento pode ser tão duro que a pessoa não consegue se focar em nada, para outros a perda de um ente querido, e outras a perda de algo muito importante, como um trabalho ou um objeto de alto valor emocional. Cada um tem sua fraqueza, e quando a vida acerta neste determinado ponto, não há como disfarçar, você vai sentir a dor e ela vai ser forte.

Então você quer dizer que está tudo bem ser fraco? Não. Pessoas fracas não são feitas para este mundo. Elas servirão de capacho para as pessoas mais fortes, e isso é a realidade, ponto. O mais forte irá se soprepor ao mais fraco. O que quero deixar claro é, sair de cena por conta de algo que aconteceu na sua vida que você não é suficientemente forte o bastante para aguentar no momento, não é sinal de fraqueza, porque quando você voltar, será uma pessoa melhor e mais forte do que anteriormente.

Normalmente são nesses momentos que aproveitamos o buraco feito em nós, para cavamos fundo, o suficiente para que consigamos buscar o que realmente queremos da nossa vida, muitas vezes, escondido no meio de tanta interferência, e é nesse momento que ocorre a epifânia que muda completamente a sua vida. Não é na hora da alegria que você vai mudar, assim como a maioria dos compositores como Beethoven, Chopin, Bach e Mozart, a sua obra prima, o seu masterpiece normalmente sairá no período de dor.

Portanto, quando você perceber que está em um momento de merda, e que você não aguenta o peso, dê um tempo de tudo, get your shit together e aprenda. Cave fundo na ferida que se abriu, você perceberá que existe um EU escondido embaixo do seu dia a dia, que está esperando para ser salvo. Chore, sinta a dor, a agonia, o medo, a solidão, e lembre-se que assim como os bons momentos passaram, este momento ruim também vai passar, mas lembre-se de aprender com ele, para que se torne uma pessoa melhor. E o mais importante, este é o seu momento de dor, sinta-o sozinho ou compartilhe-o apenas com pessoas de sua confiança, e nada de ficar reclamando sobre o que está sentindo. A vida não te dá oportunidades como essas para ser um bebê chorão e resmungão, mas ela lhe permite que você aprenda a sua lição.

Uta!

terça-feira, 3 de março de 2015

Sorte é algo relativo

Escrito por with 7 comentários
Se tem uma coisa que me deixa emputecido é saber a história de vida de uma pessoa, que lutou, trabalhou, se esforçou e depois ouvir de terceiros que esta mesma pessoa teve sorte na vida.

Sorte é algo que eu considero muito, mas muito relativo, e nesta postagem irei comentar o por que tenho esta visão.

Primeiramente contrarei uma pequena história que ouvi e que gosto de utilizá-la pois ela ajuda e muito a entender sobre o que considero ser sorte.

O conto do fazendeiro sortudo

José comprou um pedaço de terra juntamente com seu irmão. Ambos dividiram o terreno ao meio onde cada um ficou com a mesma quantidade de terra, que por sinal tinha qualidade em ambos os lados. Como José e, Juca seu irmão, eram próximos decidiram não construir nenhuma cerca para dividir os pedaços de terra.

No dia seguinte da compra, José e Juca decidiram construir uma casa para cada um em seus respectivos terrenos. Enquanto estavam construindo, Juca avistou juntamente com José vários cavalos selvagens que corriam por suas propriedades. Decidiram então que iriam tentar domá-los para que pudessem montá-los.

Juca, preguiçoso, decidiu comprar uma espiga de milho todos os dias e ficar na frente de sua casa com ela na mão mostrando para os cavalos.

José, o oposto do seu irmão, decidiu que iria fazer diferente. Comprou uma enxada, sementes de grama e algumas mudas de árvores. Durantes meses arou a terra e plantou a grama e as árvores. Todos os dias, trabalhava do raiar ao pôr do sol. Seu irmão, ficava lá, só abanando a espiga de milho. Vez ou outra algum cavalo parava a centenas de metros para ver o que ele tinha na mão, mas nunca chegava perto, visto que eles eram selvagens e jamais tinham chegado próximo a um humano.

Depois de muito tempo no terreno de José, começou a crescer um grande gramado com grandes árvores, onde os cavalos poderiam pastar e descansar. Após verem o vasto verde das gramas, os cavalos começaram a frequentar seu terreno e a se aproximar de José, ainda com um pouco de receio, mas com o passar dos dias, iam chegando cada vez mais próximos, até que um dia, José, conseguiu não somente domar um dos cavalos, mas a grande maioria deles. E cada vez mais, mais cavalos chegavam e mais ele conseguia domar.

Após algum tempo, José, domador de cavalos e Juca, o preguiçoso frustrado, foram visitar seus pais. Ao chegarem, a mãe dos irmãos perguntou a Juca, se ele tinha conseguido domar os cavalos. Disse que não e que só havia perdido tempo e dinheiro, e que somente o seu irmão tinha conseguido. Após a mãe perguntar o por que, Juca respondeu, "José teve sorte, conseguiu domar boa parte dos cavalos, eu que sou azarado". Após ouvir a resposta de seu irmão, José retrucou, "Olhe para minhas mãos calejadas da enxada, olhe para o meu pescoço e rosto queimados do sol, olhe para minha cara suada. A sorte aparece para aqueles que a procuram, não para aqueles que esperam ela passar".


Eu fui sempre sortudo nas minhas más sortes
- Bohumil Hrabal

É impressionante a quantidade de pessoas como Juca, onde não fazem absolutamente nada, e ainda acham que aqueles que conseguiram algo tem SOMENTE sorte, esquecem de analisar o que essas mesmas pessoas fizeram antes de conseguirem o que eles tem.

Um exemplo prático aconteceu comigo aqui no Canadá, onde o professor que escolhi fazer a pesquisa no verão, me ofereceu a possibilidade de fazer um intercâmbio de um mês, passando por Japão, Taiwan, Hong Kong e mais alguns países. Se eu aceitasse a proposta, iria estar em um intercâmbio em um intercâmbio, mas infelizmente, devido ao fato de ter que pagar toda a viagem, neguei o pedido, pois os custos ficam muito acima do valor que tenho disponível.

A quantidade de pessoas que vieram dizer que eu tive sorte foi imensa, mas dai pergunto... Quantas pessoas perguntaram o por que dele ter dado esta oportunidade pra mim? Será que foi o fato de eu demonstrar interesse na pesquisa e dizer que irei começar a pesquisa agora mesmo, quase quatro meses mais cedo? Será que foi o fato deu ir em todas as reuniões que o professor marcou comigo e com os outros alunos? Ou será que foi o fato de estudar mais de cem páginas de documentação necessária para entender a pesquisa dele? Mas acredito que deva ter sido tudo isso, e aliado ao fato de demonstrar que estou apto a trabalhar e não tenho nenhuma preguiça.

As pessoas só vêem as vitórias e esquecem de ver o quanto tivemos que ralar para estarmos onde estamos, quanto nós suamos, quanto demos o sangue, quantas horas ficamos sem dormir ou sem comer porque tivemos que trabalhar para conseguir aquilo que temos, quantas noites mal dormidas, quantos tombos e tropeços levamos para conseguir que portas se abrissem, quantos sapos tivemos que engolir, quantas broncas tivemos que levar, e quantos não tivemos que ouvir.

Eu não tenho sonhos, eu tenho objetivos.
- Harvey Specter
Essa frase do personagem Harvey Specter do seriado Suits define exatamente qual é a diferença entre as pessoas que colocam a mão na massa assim como José, e aqueles que são preguiçosos e não fazem nada como Juca. Depois que acordei pra vida, percebi que os sonhos são para pessoas que gostam de dormir, e que objetivos são para pessoas que não tem tempo pra isso, pois estão sempre trabalhando.


Pro inferno com as circunstâncias; eu crio minhas oportunidades.
- Bruce Lee
Concluindo, gostaria de dizer que a sorte para mim é algo que eu sempre conto, como sendo um adicional, nunca como sendo o objetivo das coisas. Não tenho tempo a perder para esperar a sorte. Se eu quisesse ser milionário, não perderia meu tempo jogando na mega sena, eu criaria as oportunidades que estão ao meu favor, não contra.

Portanto, a sorte que a grande maioria dos brasileiros procura ou acredita que as pessoas de sucesso tenham sempre são maiores do que realmente elas são, pois para nós que colocamos a mão na massa, ela é só a cereja do bolo, não o bolo inteiro.

E isso completa um pouco a postagem sobre levantar a sua bunda gorda da cadeira.

Uta!