Uma vez estagiário, sempre estagiário.

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

O que o filme Whiplash tem a nos ensinar

Escrito por with 16 comentários
A um tempo atrás assisti este filme Whiplash que no Brasil se chama Whiplash - Em Busca da Perfeição. Posso dizer sem sombras de dúvidas, que é um dos melhores filmes que já assisti em toda a minha vida.

Irei comentar um pouco sobre a história e fazer um paralelo com a atual situação não somente no Brasil, mas em todos os lugares onde o politicamente correto impera.

Andrew é um estudante de bateria de Jazz na qual tem a grande pretensão de ser um dos melhores bateristas do mundo, assim como Buddy Rich. Terence é o professor do conservatório, que espera nada mais, nada menos do que a perfeição. E o filme se passa com Andrew entrando na banda do professor Terence e ralando para conseguir ser o melhor.

A grande sacada do filme é o método de ensino de Terence, que para alguns é duro demais, para outros é horrível e inaceitável, mas que para mim, é o melhor jeito de se ensinar e conseguir retirar o melhor daquele aluno, que acha que está dando o máximo, mas não sabe que tem a capacidade de ir além.

Vou deixar aqui algumas das cenas do filme, portanto se você não gosta de spoiler, assista-o e depois volte para ver os vídeos. Outro detalhe, não consegui encontrar as partes legendadas ou em português.



Neste vídeo podemos perceber como é o jeito de ensinar do Terence. Nada próximo ao que temos hoje nas escolas, já que se ele fizesse algo parecido, teríamos milhares de papais e mamães na escola pedindo para que o professor não só fosse retirado, mas também que fosse linchado, se não preso.

Desde o começo do filme já havia me encantado pelo jeito de ensinar do Terence. É o tipo de jeito que levo a vida na atualidade, onde é oito ou oitenta, sem meio termo. Ou dou total atenção e dedicação para o que estou fazendo, ou simplesmente deixo para lá, e caso tenha tempo vago, vejo se gasto um pouquinho com aquilo. Não existe essa coisa de ser mais ou menos, estar com a cabeça aqui e em outro lugar, porque simplesmente você não irá dar o máximo de si e além disso, não conseguirá ir além do que você pode ir. É duro, mas é a pura verdade.

Quando as pessoas se gabam de fazer duas ou três coisas ao mesmo tempo, eu fico calado, imaginando como é que esta pessoa consegue fazer algo excepcional sendo que ela está focada sempre em mais de uma coisa. Quando cozinho, não consigo ter uma conversa normal com as pessoas, porque sempre perco o fio da meada do que estavamos falando ou demoro muito para responder. Eu foco cem porcento da minha atenção na cozinha, o mesmo para o trabalho e os estudos, mesmo tendo problemas de hiperatividade e tendo que parar várias vezes, mas quando estou fazendo algo é aquilo e pronto.

Mas e dai? Isso não quer dizer que o Terence pode sair por ai batendo na cara das pessoas. Concordo, mas no filme eles apresentam um professor turrão de maneira extrema. Mas mesmo assim, o que acontece quando temos um professor que é mais exigente na faculdade ou no ensino médio? Xingamos e dizemos que ele ou ela tem problemas pessoais e descontam nos alunos. Bom, pode ser que isso seja verdade, mas nem todos são assim. Alguns deles nos forçam a ir além do que imaginamos ser possível para nós mesmos.




Nessa cena onde Terrence conversa com Andrew fica exposto exatamente a ideia de que ele queria que os alunos simplesmente dessem não o melhor, mas o máximo da capacidade deles.

Ok, e onde você quer chegar com isso Estagiário?

Simples... Hoje, vivemos em uma sociedade café com leite, onde devemos tratar todos do mesmo modo, tanto o último colocado quanto o melhor colocado, e se deixar, o primeiro será taxado de não ter fairplay, já que ganhou com grande diferença entre ele o o segundo. É um mundo soft, como diriam os canadenses.

Isso me irrita, porque aqueles que se esforçam não recebem o mérito necessário, e aquele que faz tudo de qualquer jeito, é reconhecido da mesma maneira que o primeiro. Isso é errado, porque isso não cria pessoas mais humanistas, mas sim pessoas mais vagabundas e preguiçosas.

Por isso, quando encontrar algum professor ou mentor mais exigente, faça uma análise mental e veja se é melhor largar tudo, ser apenas mais um aluno medíocre ou utilizar este professor para desabrochar novas habilidades que você não sabia que tinha, ou melhorar ainda mais as que você possui.

Uta!

16 comentários:

  1. Boa dica, ainda mais que sou apaixonado por jazz, vou procurar pra assistir.
    abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uó, esse filme é excelente...
      Recomendo de longe ele.

      uta!

      Excluir
  2. Assisti o filme, não chega a ser nem de longe um dos melhores, mas é regular.

    Ensinar é um ato de amor, não de violência. Tanto é que (spoiler)





    o professor não possui nenhum aluno de destaque, exceto um que se mata antes mesmo de chegar ao topo, e era avaliado como regular pelas outras pessoas.

    É o método Bernardinho, que funciona no curto prazo, porém insustentável.

    Na minha vida topei com professores com diversos perfis, enfim, a maioria deles que trata os alunos assim, na verdade, não gostam do que fazem e descontam a própria frustração nos outros.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já imaginou se a moda pega, Honorários? Ia acabar a burrice no mundo, fácil. Seria só bater muito em todos os alunos de qualquer matéria....

      Excluir
    2. DH,

      Exatamente o que você falou, a maioria deles, não todos.
      Esinar é um ato de amor, mas ali o Terrence não está pra ensinar, está para criar um excelente conjunto de Jazz, do mesmo jeito que o Bernardinho não está ali para ter dezenas de bons times, mas sim, criar um time excelente.

      Uta!

      Excluir
  3. Interessante seu post, Estagiário. A forma de cobrar é uma ferramenta que pode tirar o melhor dos alunos.

    Se mais pessoas apanhassem, teríamos um mundo com mais disciplina. As PMs de todo o Brasil são as melhores produtoras de ensino, disciplina e pedagogia. Podemos ver como os nossos pobres e os estudantes se comportam melhor depois de levar uma boa surra de cacetete. Nosso país é recordista em várias matérias pois a "lambada" é distribuída a torto e direito.

    Outro extremo do absurdo é a Alemanha que ensina, no primeiro dia de aula, às crianças o número da polícia em caso de agressão dos pais. Como todos sabem o Brasil é muito melhor que a Alemanha em tudo, principalmente no futebol....

    Ainda falando de futebol, o grande Sadam Hussein, mandava bater nos jogadores de futebol da seleção, em caso de derrota. Acredito que se fosse feito isso com Dunga, Neymar e companhia, o Brasil seria imbatível. É só baixar a porrada para que todos sejamos excelentes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,

      "Mas e dai? Isso não quer dizer que o Terence pode sair por ai batendo na cara das pessoas. Concordo, mas no filme eles apresentam um professor turrão de maneira extrema."

      Uta!

      Excluir
  4. Estagiário,

    Hoje em dia, grandes empresários, grandes investidores que estudaram milhares de balanços e acumularam milhões de dólares na Bovespa não são recompensados, moram em casas de R$ 55 milhões como castigo.

    Outra forma de punição é ser obrigado a contratar modelos da ficha rosa e pagar até 15k por um programa com ex paniquete.

    Como acredito na sabedoria cristã, desejo ser castigado assim também pelos meus estudos sobre bolsa, pelos vídeos do Bastter que assisti por diversas vezes. Quanto mais dinheiro, iates e mulheres, mais sofre o investidor....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,

      Não entendi o que seu comentário tem a ver com o tema discutido.

      Uta!

      Excluir
  5. Estagiário, mais de uma vez vc falou que acha sua geração problemática, mimada e preguiçosa. De fato, todo dia vemos adolescentes babacas e sem noção.

    Mas achar que cobrar excelente desempenho na base da porrada é bom não parece tão eficiente assim.

    O Google dá, de graça, comida de primeira para os funcionários, mais ônibus com wifi, veterinário, lavanderia. A cada dia eles estão mais ricos.

    Se eles espancassem, chutassem as costelas de todos os funcionários iriam produzir mais lucro??? Será esse método o melhor para o bom desempenho?


    Uma maioria da população ai ser fudida e medíocre. Uma minoria bem motivada, vai ganhar bilhões. Sempre foi assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,

      "Mas e dai? Isso não quer dizer que o Terence pode sair por ai batendo na cara das pessoas. Concordo, mas no filme eles apresentam um professor turrão de maneira extrema."

      Anônimo, quando falamos sobre empresa, trabalho e coisas do tipo, a conversa muda. Estamos falando de busca pela excelência ou ao menos melhoria e desenvolvimento das habilidades. Quando foi a última vez que você teve que melhorar seu conhecimento em algo onde você deu 100%? Garanto para você que se houvesse um professor ou mentor que puxasse você mais e mais, você aprenderia muito mais e teria um melhor desempenho do que se não tivesse ninguém.

      Uta!

      Excluir
  6. Conhece os "HIKIKOMORIS", esse termo em japonês designa os super nerds que decidiram não mais entrar em contato com os seres humanos. Eles apenas querem ficar na internet e ver desenhos animados o dia todo.

    Além disso não estudam nem trabalham. Envergonham suas famílias, que desejam que eles somente saiam de casa de madrugada para não envergonhar diante dos vizinhos.

    Um problema é que essa doença está chegando a outros países, muita gente só quer videogame e internet. Nada de trabalho, nem de estudo.

    Uma solução seria estimular a vasectomia.

    ResponderExcluir
  7. No meu ponto de vista uma das principais coisas que vem faltando nos jovens de hoje é a educação e o exemplo de casa.
    Obvio que filhos de bons pais muitas vezes também dão problemas, mas nenhum modelo é 100%. Veja o Japão um dos países que tem como marca pelo menos para nós que vemos de fora a disciplina e a educação para resultados, porém tem alto índice de suicídios em parte porque não há espaço para que todos sejam tops, vencedores etc. É muito importante saber lidar com o fracasso, o insucesso e geralmente pessoas perfeccionistas tem muita dificuldade com isso.
    Acho que o melhor caminho é um meio termo nem liberdade demais, folga demais, nem muito perfeccionismo e exigências que em alguns casos não trarão retorno.

    ResponderExcluir
  8. Acho que a principal lição que este filme deixou foi que nunca devemos desistir daquilo em que acreditamos ser bom. A capacidade do ser humano de superar as próprias barreiras é inimaginável. Seja nos esportes, em nossas carreiras ou no nosso convívio social. A perfeição é difícil de ser alcançada (talvez nem possa), porém devemos sempre tentar ser melhor que o cara que você foi ontem.

    ESSE FILME FOI MUITO IMPORTANTE PARA MIM... Hoje mesmo me perguntava porque eu desistia tão facilmente dos meus objetivos e por algum motivo acabei parando nesse blog e vendo essa postagem (a ultima postagem feita pelo Estagiário). Verei novamente em outros momentos esse filme e espero que de alguma forma ele me ajude a me tornar um cara melhor do que era ontem.

    Obrigado Estagiário!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nadsantos,

      Fico contente que pude lhe ajudar de alguma maneira. Não desista dos seus objetivos, afinal, se você não acreditar no seu pontencial, porque os outros deveriam?

      Uta!

      Excluir