Uma vez estagiário, sempre estagiário.

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Escolhendo o país para fazer intercâmbio

Escrito por with 2 comentários
Como todos sabem, irei para o Canadá (se tudo der certo, no mês que vem estarei lá) passar uma estadia de um ano e alguns meses para estudar, trabalhar e aprimorar meu inglês. Como sabem também irei pelo Ciência Sem Fronteiras, mas existem outros programas de intercâmbio que podem levar para você para outros lugares do mundo, desde Estados Unidos até a Coréia do Sul. Com todas essas oportunidades de intercâmbio escolher um país é algo que exige um pouco de trabalho de pesquisa e estudo. Esta postagem tem como objetivo mostrar alguns pontos importantes para se levar em conta na hora de escolher o país para se passar uma estadia, seja ela de alguns meses ou de anos.

Idioma do país

Uma das ideias por trás do intercâmbio é o aprimoramento de uma língua estrangeira. Isso mesmo, aprimoramento, isso significa que você precisa conhecer um pouco o idioma do país em que está indo, ou saber um pouco do idioma que precisará por lá (por exemplo, no caso de intercâmbios para a Finlândia é necessário o inglês, apesar do idioma principal do país ser finlandês).
Existem algumas pessoas que já sabem um pouco de inglês e querem aprender uma outra língua, por isso escolhem países com outro dialeto para fazer o intercâmbio. Primeiramente, adianto aqui que, se você pretende ir através de um edital para estudantes, será necessário um teste de proficiência do idioma em questão, isso significa que precisará mostrar que domina o básico do idioma, ou seja, não poderá ir se não souber absolutamente nada. Segundo ponto, não é fácil ir para um país com costumes diferentes, com uma cultura diferente e ainda por cima não conseguir se comunicar. Conheço casos de pessoas que pediram para voltar para o Brasil porque estavam sofrendo muito porque não conseguiam conversar com ninguém e tiveram inicio de depressão. E terceiro, imagina tentar pedir informação para uma pessoa na rua, em uma cidade pequena, e não conseguir passar para ela o que você quer e nem entender o que ela está querendo dizer. É muito comum este tipo de coisa, aqui mesmo na minha faculdade, onde um intercambista da Alemanha tinha dificuldades em falar o português e não conseguia me perguntar onde ficava a biblioteca da faculdade... Por sorte, ele começou a falar em inglês e consegui ajudar ele a encontrar o local que procurava.

Este foi o primeiro pré-requisito que utilizei para excluir diversos países da lista. Como queria me comunicar através do inglês, exclui a maioria dos países europeus, com exceção da Grã-Bretanha. Ficaram então, os países da América do Norte, a grande ilha da Inglaterra, asiáticos e a Oceania. Os países nórdicos foram excluídos devido ao requisito mínimo de inglês pedido ser muito alto (nota do TOEFL mínima para estes países é de 98 no edital do Ciência Sem Fronteiras).

Clima

O segundo fator importante, principalmente para as pessoas que irão ficar um ano ou mais, é o clima. Se você não gosta de frio, evite países que estejam muito acima do Trópico de Câncer e muito abaixo do Trópico de Capricórnio, para os que amam frio assim como eu, só fazer o inverso.
Mas por que o clima é importante? Porque existem pessoas que precisam de um clima mais ensolarado para viver, outras precisam de um clima mais frio. Explico. Pessoas que sentem a necessidade de estar em contato com outras pessoas, que gostam de sair para o ar livre para andar, jogar futebol, que sentem a necessidade de calor e sol, precisam ir para um país mais quente, porque o corpo sente a necessidade disso. Já as pessoas que são mais reservadas, gostam de sair para locais mais fechados, como bares, restaurantes, que são mais calmas e sentem a necessidade de estar em um ambiente mais escuro, protegido do sol, sentem a necessidade de um local com um clima mais frio e que tenha pouco sol. Lembrem-se que o clima é intimamente ligado a necessidade de cada um, por isso, para uma boa estadia é necessário que se esteja em um ambiente que esteja em concordância com você.

Quando fui analisar este requisito básico, já exclui a Ásia e a Oceania como um todo e os Estados Unidos, pois as melhores universidades para onde gostaria de ir estavam nos estados ao sul, apesar de saber que existem locais que nevam, a grande maioria impera o clima quente. Por isso os países que sobraram foi, Canadá e Grã-Bretanha.

Costumes e Receptividade

Apesar de parecer duas coisas que são opcionais, são de extrema importância na hora da escolha. Primeiramente os costumes. Brasileiro é sem noção, todo mundo sabe disso. Nós somos um dos povos mais felizes e o mais receptivo, por conta dessas características somos sem noção. Um exemplo? Um grupo de brasileiros deu trabalho no metrô inglês por estar cantando alto e tocando violão. Fazer isso com o vagão cheio é considerado por muitos falta de educação. Outro exemplo que me contaram foi que, na Alemanha, não é visto com bons olhos, você chegar na casa do aniversariante com um presente em mãos, aqui no Brasil é sinônimo de carinho pela pessoa, lá é insulto. Ok Estagiário, mas essas coisas são eventuais. Certo, então vamos para o que o brasileiro mais gosta de fazer, jogar lixo no chão. Um simples papel de bala jogado no chão, que aqui no Brasil passaria despercebido, renderia olhares furiosos para você em países de primeiro mundo, quando não uma bela multa, caso a ação seja vista por policiais.
O outro ponto que precisa ser analisado é a receptividade. Não adianta, existem países ou locais de determinados países que não aceitam estrangeiros ou os tratam da pior maneira possível. Um exemplo bem prático são os ingleses em sua maioria. Existem vários estudantes que comentam que eles são rudes e não tem paciência com os estrangeiros, acredito que seja por conta da ideologia superiora dos ingleses. Países como Estados Unidos e Canadá recebem bem os estrangeiros na maioria dos locais.

Com base nisso, o único país que ficou na lista foi o Canadá. Porém existe mais uma coisa que precisa ser analisada antes de se decidir realmente se este é um bom país.

Política e Conflitos

Vamos imaginar que você tenha escolhido Ucrânia como país para fazer seu intercâmbio. Agora não seria uma boa hora para estar naquele país, com os conflitos que estão ocorrendo, sem contar que devido a isso, o xenofobismo começa a ficar muito forte. Países muçulmanos também devem ser analisados, afinal, nenhuma mulher gostaria de ser abordada por um sheik que tenha gostado de você e que aceite pagar 5 cabras e 2 camelos para poder se casar, ou ainda ser confrontado com outros homens ao dizer que não é muçulmano. Outro ponto também é como nosso amigo Graduando disse nos comentários sobre a China e a rigidez dos diretores para com os alunos.

O Canadá não sofre com nada disso no momento, portanto após esta análise, foi confirmado o país na qual eu iria fazer meu intercâmbio.

Deve-se sempre tomar cuidado com as escolhas premeditadas, pois elas podem trazer sérios problemas para o intercambista. Por isso, não tenham preguiça de pesquisar um local que seja bom para se viver e que possa ajudar a agregar valor a você. O Canadá é um dos melhores países do mundo, com certeza vai me ajudar a amadurecer, além do fato de estar indo morar sozinho. Além de tudo isso, ele possui duas línguas como as principais, isso significa que poderei voltar falando um pouco de francês, que poderá ser aprimorado com algumas aulas por aqui, para no futuro fazer um mestrado com cotutela para que possa retirar meu diploma em alguma universidade francesa, mas isso é em um futuro que está muito longe.

Uta!

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Minicasas, a frugalidade levada a sério

Escrito por with 12 comentários
Quem aqui mora em casa ou apartamento sabe o que significa algo chamado de "quarto da bagunça". É aquele quarto onde deixamos tudo o que pouco ou nunca usamos. Alguns possuem vários quartos da bagunça. Este quartinho pode ser muito facilmente comparado com as garagens americanas, onde as pessoas abarrotam todas as suas coisas inúteis lá.

Porém, sabemos que isso só é possível quando temos uma casa grande, afinal precisamos de um cômodo que não esteja sendo usado para entulharmos todas as nossas bugigangas lá.

Isso gera dois gastos excessivos, um constante e outro único. O gasto constante é na compra de coisas que não iremos usar, coisas que compramos por impulso, como aquela máquina de varrer folhas com ar que você comprou mas esqueceu que não tem nenhuma árvore no quintal, ou aquela super cama elástica para sua mulher fazer exercícios que usou apenas uma vez. O outro tipo de gasto é o da casa maior do que a necessidade. Imagine o quanto seria mais barato construir ou comprar uma casa com  um quarto a menos.

Partindo desta ideia existem algumas pessoas que estão aderindo a um movimento chamado de Minicasas. São casas pequenas, bem projetadas que são tão aconchegantes como uma casa imensa, porém com uma metragem abaixo de 30m².

Este movimento está pegando muita força nos Estados Unidos, onde o slogan é "Venda suas tranqueiras, pague suas dívidas e faça o que ame!". Lá as pessoas estão indo muito além, com casas de apenas 10m², onde são feitas em cima de duas rodas para serem levadas a qualquer lugar. Isso vai de encontro a toda a ideologia americana de consumismo exacerbado, visto que para se morar em uma habitação desta metragem a frugalidade tem que ser levada a sério.

Aqui no Brasil uma casa pequena não é vista com bons olhos, já que temos uma grande área para construirmos. Porém como foi mostrado acima, quanto maior a casa, maior a quantidade de tralha que colocamos dentro dela e maior os gastos que poderiam ser evitados.

Os gastos na aquisição de uma casa aqui no Brasil fica em torno de R$290.000,00 em uma cidade do interior de São Paulo. Para se ter uma comparação, uma casa com metragem de 30 m² pode ser construída com menos de R$90.000,00, isso já contando com um terreno.

Devido a seu tamanho reduzido e ao gasto necessário para sua aquisição, as pessoas que possuem Minicasas são menos endividas e mais felizes do que as demais, aponta um estudo feito pelo site shrinkthatfootprint.com.

De acordo com o estudo, 68% das pessoas que adquiriram uma Minicasa já liquidaram o empréstimo da casa própria, 29,3% a mais do que a média americana. As pessoas adeptas ao movimento possuem uma conta bancária maior do que as demais, com mais de U$10.000,00 na conta corrente. Outro ponto interessante da pesquisa é que os moradores das Minicasas possuem 89% a menos em gastos com o cartão de crédito se comparado com a média americana, sendo que 65% deles não possuem nenhum gasto nesta modalidade.

Sendo assim, acredito que seja interessante a aquisição de minicasas, ao menos para um casal sem filhos, pois assim, os gastos seriam menores, a frugalidade seria essencial e o dinheiro poderia ser investido ou ainda gasto com viagens e outras coisas que trazem mais felicidade do que um novo eletrônico da moda.

Uta!

sábado, 24 de maio de 2014

Índice Estagiário de Ações [Mai/14]

Escrito por with 3 comentários
Segue a atualização do Índice Estagiário de Maio de 2014.





O índice performou este mês +2,21%, em contraste, o Ibovespa fechou o mesmo período em +6,74%.


As ações que mais caíram no período foram:
Lopes Brasil [LPSB3] : -14,15% 
Paraná Banco [BRBC4] : -10,40%
Eztec [EZTC3] : -9,04%

As ações que mais se valorizaram foram:
Kroton [KROT3] : +18,25%
Totvs [TOTS3] : +13,91%
Grendene [GRND3] : +10,19%

Proventos :


Uta!

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Métodos de Avaliação Econômica de Investimentos [Parte 04]

Escrito por with Sem comentários
Vamos chegando ao final do estudo de Métodos de Avaliação Econômica de Investimentos. Nesta última postagem vamos falar sobre os últimos dois métodos, o Payback Simples e o Payback Descontado.

Os dois Paybacks tem como objetivo principal mostrar em quanto tempo o investimento trará o valor que investimos. Como nossa análise é em cima do lucro líquido por ação, iremos encontrar qual o tempo necessário para que a empresa consiga gerar um lucro líquido igual ao valor investido. Isso não quer dizer necessariamente que iremos receber em dividendos este valor, já que parte do lucro é reinvestido na própria empresa. Porém, vale lembrar que o dinheiro investido corretamente na empresa irá aumentar o seu lucro e consequentemente o seu valor no mercado, portanto, a análise através do lucro líquido é lógica.

Vamos relembrar o Fluxo de Caixa dos dois ativos, PETR4 e GETI3.



Payback Simples

O Payback Simples é calculado a partir do fluxo de caixa acumulado. Ele tenta encontrar quando o fluxo de caixa acumulado chega a zero. Para saber se vale a pena ou não o investimento, o resultado deve ser comparado com o prazo máximo de recuperação aceitável, normalmente expresso por anos. Se o prazo encontrado é menor do que o prazo máximo, aceita-se o investimento, caso contrário, o projeto é inviável.

No Payback Simples, nós somamos todos os fluxos de caixa, indiferente do seu período. Este é o principal problema do método, pois este pressuposto vai totalmente contra a mão do pressuposto do fluxo de caixa, que diz: "Dinheiro, tem seu valor no tempo". Esta análise normalmente é feita de cabeça, pois é muito simples. Outro ponto muito importante no Payback Simples é que ele não considera o fato de que o maior rendimento está no final do período (como por exemplo, no caso da venda de uma ação).

Se analisarmos os dois ativos, encontraremos os seguintes valores :

PETR4 : 8,05 anos
GETI3 : 5,23 anos

Isso significa que, a Petrobrás só iria nos retorar lucros após a venda do papel. Ou seja, demoraríamos 8 anos para receber o valor investido. Vale lembrar também que, por estarmos utilizando o lucro líquido, isso não quer dizer que teremos os R$17,74 em mãos, já que teríamos que vender o ativo para conseguir ter o Payback. Já no caso da GETI3, temos um período bem menor, de apenas 5,23 anos. A partir deste resultado podemos concluir que PETR4 é um investimento menos atrativo do que GETI3.

Payback Descontado

O Payback descontado é muito semelhante ao método anterior, porém neste caso, nós iremos utilizar a TMA para descontar o fluxo de caixa. Todos os fluxos de caixa serão trazidos para a data zero, dai fazemos o somatório do fluxo descontado. Assim, podemos encontrar o valor que mostrará quando a empresa nos fornecerá em lucros o valor investido após o risco inerente ser descontado.

Só para relembrarmos as TMAs:

PETR4 : 22,5%
GETI3 : 20,14%

Utilizando os pressupostos encontramos os seguintes dados :

PETR4 : +9 anos
GETI3 : 8,73 anos

No Payback Descontado encontramos alguns valores que chegam a impressionar, de maneira negativa. No caso da PETR4 não teríamos o resultado esperado no tempo analisado, pois após o período de 9 anos seriam necessários queimar mais R$ 9,93. No caso da GETI3, nós conseguiríamos o retorno somente vendendo o ativo.

O Payback Descontado utilizando-se como parâmetro a TMA e o lucro líquido é muito pouco utilizado, o mais comum uso deste método é a análise do fluxo de dividendos e JSCP e o desconto como sendo da inflação. Sinceramente, este último é realmente mais interessante ao investidor, contudo, vale a pena a análise do segundo, pois na minha opinião é interessante verificar se a empresa trará um lucro a ponto de conseguir abater o valor investido dado o seu risco.

É isso ai pessoal, espero que tenham gostado dos métodos que mostrei a vocês. Eles poderão ser de grande importância a todos na hora de analisarmos um investimento.

Referências bibliográficas:

Samanez, C. P. “Matemática Financeira Aplicações à Análise de Investimentos 3ª edição”. São Paulo: Pearson Prentice-Hall. 2002
Mathias, W. F. “Matemática Financeira com + de 600 exercícios resolvidos e propostos”. São Paulo: Editora Atlas, 2002.
Varia, H. R. “Microeconômica Princípios Básicos”. Rio de Janeiro: Editora Campus,
2003.

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Goodbye Brazil! See you in 2016!

Escrito por with 63 comentários
No ano passado estudei com muito afinco a fim de melhorar minha média ponderada que não estava nada boa. No final do ano, fiz um intensivo em inglês para conseguir uma nota no mínimo mediana no teste de proficiência. Tudo isso custou-me aproximadamente R$1.500,00 além de horas de estudos de matérias que não gostava.

Por fim, depois de muito esforço e sorte, posso dizer a vocês que irei para o Canadá passar uma estadia de 16 meses, começando em setembro e voltando só em janeiro de 2016. Irei para a University of Ontario Institute of Technology uma das melhores faculdades de tecnologia do país.


A partir de hoje, farei alguns vídeos e algumas postagens sobre o processo de intercâmbio para o Canadá. Irei mostrar também como todo universitário com notas medianas e com um inglês intermediário pode conseguir ir para um país de primeiro mundo, com tudo pago e ainda por cima ter a oportunidade de estudar em uma das melhores universidades.

University of Ontario Institute of Technology
Escolhi o Canadá como sendo o país para o intercâmbio porque:

 - Quase 20% da população é imigrante
 - É um país de primeiro mundo
 - Possui alta taxa de investimentos em tecnologia e desenvolvimento
 - As universidades possuem equipamentos de ponta
 - São educados e bem receptivos
 - Tem o inglês e o francês como língua principal, sendo assim, há a possibilidade de se aprender um outro idioma
 - Neva
 - Faz Frio
 - Tem Hockey como esporte principal
 - O salário líquido de um trabalhador na área de TI fica entre 400 a 600% maior do que  no Brasil
 - É o país onde pretendo morar

É isso ai pessoal, fiz esta postagem para mostrar o quão feliz estou por ter sido aceito na universidade e que irei passar uma bela estadia em um país de primeiro mundo.

Uta!

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Métodos de Avaliação Econômica de Investimentos [Parte 03]

Escrito por with Sem comentários
Dando continuidade a avaliação econômica de investimentos, vamos falar de mais dois métodos, a TIR e o MTIR.

Ambos são utilizados para verificar a taxa de retorno de um determinado investimento, por isso, ao invés dos valores serem analisados como negativos e positivos, devem ser sempre comparados a TMA do ativo. Se o valor encontrado for maior que a TMA, então o projeto é viável, senão o investimento torna-se inviável.

TIR (Taxa Interna de Retorno)

A TIR é uma técnica na qual zera-se o VPL. Ela expressa a taxa de retorno média de um ativo, permitindo a comparação direta com qualquer outro tipo de investimento. O pressuposto da TIR é que todos os fluxos de caixa devem ser reinvestidos a uma taxa igual a TIR até o fim do horizonte de planejamento do projeto. Este é o principal problema do método, pois encontrar um investimento que tenha um reinvestimento igual a taxa encontrada por um tempo constante em um horizonte de tempo grande é muito difícil.

Apesar disso, a TIR é utilizada amplamente e muito aceita na área financeira. Assim como todos os outros métodos de avaliação, este também pode ser feito no Excel ou LibreOffice, porém sua utilização com apenas papel e caneta é algo mais complicado.

Só para relembrar os dados dos dois ativos:


A TMA :

PETR4 : 22,5%
GETI3 : 20,14%

Se aplicássemos a fórmula da TIR em ambos os papéis teríamos:

TIR PETR4 : 10%
TIR GETI3 : 27%

Ou seja, a Taxa Interna de Retorno de PETR4 é de apenas 10% a.a. enquanto da GETI3 fica em 27% a.a. (valores ao ano pois o fluxo de caixa é anual). Ao comparar com as duas taxas mínimas de atratividade podemos constatar que PETR4 está abaixo, sendo assim, é um investimento inviável. Já no caso da GETI3 temos um valor acima, fazendo o ativo ser interessante.

MTIR (Taxa Interna de Retorno Modificada)

Semelhante a TIR, a MTIR encontra um valor que irá zerar o VPL. Também é expresso por uma taxa média de um investimento e assim como a TIR pode ser comparada com qualquer outro. A única diferença entre ambas é que a MTIR utiliza o pressuposto que os fluxos de caixa irão ser reinvestidos a uma taxa igual a TMA. Apesar de não parecer nada extraordinário, a alteração realmente faz toda a diferença, visto que uma taxa semelhante a Taxa Mínima de Atratividade é mais próxima da realidade.

Assim como a anterior, a MTIR é facilmente calculada com os programas Excel e LibreOffice, e complicada demais para se fazer com papel e lápis.

Vamos verificar o resultado encontrado:

MTIR PETR4 : 15%
MTIR GETI3 : 24%

Como era de se esperar, os valores foram maiores para a PETR4 e menores para a GETI3 se comparados a Taxa Interna de Retorno, visto que a TMA neste caso irá influenciar proporcionalmente na diferença (no caso, PETR4 a TMA é maior, fazendo com que o valor da MTIR seja mais elevado. O inverso se aplica a GETI3).

Contudo, mesmo com esta discrepância de valores, o inferimento nos resultados permanecem iguais, PETR4 está abaixo da TMA, tornando-se um investimento ruim, e GETI3 está acima do valor mínimo estipulado, por isso, pode-se dizer que o ativo é um bom investimento.

Vale lembrar que nem sempre o resultado será o mesmo, por isso é importante a utilização do bom senso do analista ao verificar resultados divergentes. Contudo, ambas as análises são válidas, o emprego de uma ou de outra vai totalmente do gosto do investidor, caso queira ser mais rigoroso, pode se utilizar a TIR, caso o momento seja mais propício a uma análise mais realista, utiliza-se a MTIR.

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Métodos de Avaliação Econômica de Investimentos [Parte 02]

Escrito por with 7 comentários
Nesta postagem vamos falar sobre dois métodos de avaliação econômica de investimentos, o VPL e o VAUE.

Ambos são utilizados para verificar se realmente o ativo vale a pena ser investido dado o seu fluxo de caixa e a TMA já vistas na postagem anterior. Para demonstrar o uso dos dois métodos, vou utilizar dois ativos que são cotados na Bovespa, a PETR4 e o GETI3. Escolhi estes dois papéis para demonstrar que podemos utilizar esta análise mesmo que as empresas sejam de setores totalmente diferentes.

Antes de começarmos a falar sobre os métodos, primeiro mostrarei os Fluxos de Caixa de ambos os ativos e depois vou comentar sobre a TMA de cada um deles.



Como mencionei anteriormente, gosto de analisar o Fluxo utilizando o LPA. Já os valores de entrada e saída, busquei as cotações do ativo no início e no final do período.

Para a TMA utilizei a taxa atual da SELIC, taxa de 0% para a oportunidade e o cálculo matemático para encontrar o risco do papel de acordo com o desvio padrão dos valores dos papéis. Fori utilizado os preços de fechamento de um período de um ano. O resultado foi:

TMA PETR4 = 11,0% + 11,5% + 0% = 22,5%
TMA GETI3 = 11,0% + 9,14% + 0% = 20,14%

Utilizaremos estas informações no decorrer desta postagem.

VPL - Valor Presente Líquido

Este método consiste em descapitalizar todos os fluxos de caixa e trazer para a data zero. Para isso utilizamos a TMA como a taxa de descapitalização. O resultado final poderá ser positivo, informando que o projeto é viável, ou negativo, mostrando que o investimento não é viável.

O ponto positivo desta análise é que todos os fluxos de caixa são reinvestidos a uma taxa igual a TMA (basicamente, seria como se todo o lucro da empresa fosse reinvestido nela mesma. Por isso que gosto de utilizar o lucro líquido, pois seria como se a empresa não pagasse nenhum dividendo ou ainda, se os dividendos fossem reinvestidos na empresa).

O problema desta análise é que os horizontes de planejamento devem ser iguais, pois o fluxo de caixa em tempos diferentes geram movimentações diferentes. Em tese, projetos com maior tempo, tendem a dar um VPL maior. Apesar deste problema, é muito fácil de contorná-lo, basta imaginarmos que todos os projetos possam ser repetidos, assim podemos encontrar um período de tempo igual para todos os projetos.

Se utilizarmos esta informação para os dois papéis de exemplo, chegaremos ao seguinte resultado:

PETR4 : -6,36
GETI3 : +2,04

Isso significa que, não é viável o investimento no ativo PETR4, pois o valor final está negativo. No caso da GETI3 é o oposto, pois o resultado mostrou-se positivo.

O método pode ser feito com lápis e papel, utilizando-se um calculadora financeira ou científica. Para os que utilizam o Excel ou o LibreOffice, existe uma função pronta que já retornam o resultado final.

VAUE - Valor Anual Uniforme Equivalente

O método VAUE consiste em determinar um fluxo de caixa uniforme que é equivalente ao fluxo de caixa original. A decisão é tomada com base no valor da parcela (valor de cada fluxo de caixa), que representa o retorno médio acima da ATM, por período. O inferimento no resultado é igual ao VPL, se positivo, projeto viável, se negativo, inviável.

O interessante do método é que como utiliza-se o VPL, o VAUE parte do pressuposto que todo o fluxo de caixa recebido será reinvestido a uma taxa igual a TMA. Outro ponto interessante é que depois que foi encontrado o VPL, pode ser utilizado para horizontes de planejamento diferentes.

O ponto negativo do método é que ele é pouco utilizado e muitas vezes não é bem aceito por investidores e analistas.

Se fossemos utilizar o VAUE para analisar os ativos, teríamos os seguintes valores:

PETR4 : -1,78
GETI3 : 0,53

O resultado é igual ao VPL, é interessante o investimento em GETI3 mas não em PETR4.

Este método também pode ser feito com papel e caneta, porém é um pouco mais trabalhoso. Para os que utilizam Excel e LibreOffice, a função PMT() dará o resultado acima.

Em resumo, podemos dizer que ambos os métodos podem trazer grandes benefícios para o pequeno investidor, pois podem facilmente mostrar se um ativo no atual momento é interessante ou não. Vale lembrar que, é muito difícil analisarmos o fluxo de caixa de uma empresa e dizer se ela é uma boa opção para um investimento. Com estas duas ferramentas torna-se mais fácil a análise e assim o pequeno investidor pode inferir nos resultados de maneira simples e rápida.

quarta-feira, 14 de maio de 2014

Métodos de Avaliação Econômica de Investimentos [Parte 01]

Escrito por with 8 comentários
Quando falamos sobre investimentos, muitos de nós avaliamos os resultados financeiros dos ativos em questão, contudo, pouco se fala sobre a análise de avaliação econômica destes investimentos, e é sobre isso que iremos comentar nesta postagem.

Para que não está muito familiarizado com o método, a avaliação econômica de investimentos é um estudo que é feito para verificar se vale a pena colocar o dinheiro naquele determinado investimento ou não, ou seja, com ele podemos avaliar qual a taxa de retorno do ativo, em quanto tempo irá retornar o valor investido e também, se este investimento vale a pena dado a alguns pressupostos.

Existem diversos tipos de análises que podem ser feitos na avaliação econômica de investimentos, porém vou me ater somente a seis análises. São elas:

1. VPL (Valor Presente Líquido)
2. VAUE (Valor Anual Uniforme Equivalente)
3. TIR (Taxa Interna de Retorno)
4. MTIR (Taxa Interna de Retorno Modificada)
5. Payback Simples
6. Payback Descontado

Os dois primeiros serão utilizados para verificar se o investimento é viável, o terceiro e quarto para analisar a taxa de retorno do ativo e os últimos dois serão utilizados para verificar quando teremos o retorno do valor investido de volta.

Antes de iniciarmos o estudo, é necessário falarmos um pouco sobre o que é TMA (Taxa Mínima de Atratividade).

TMA

A TMA é uma taxa mínima que aceitamos ter para entrar em um determinado investimento. Por exemplo, se nós formos investir em uma padaria, nós não iremos aceitar um retorno igual a SELIC, pois neste caso, poderíamos colocar nosso dinheiro no Tesouro Direto, pois assim teríamos o mesmo retorno com muito menos risco. Por conta disso a TMA é a junção de três taxas: Taxa Livre de Risco + Taxa de Risco + Taxa de Oportunidade.

A Taxa Livre de Risco pode ser utilizada a taxa da SELIC ou a da poupança, a Taxa de Risco é a taxa que esperamos receber a mais por conta dos riscos que o ativo proporciona, e a Taxa de Oportunidade é a porcentagem que nós queremos receber a mais por conta do nosso dinheiro estar imobilizado pelo tempo do investimento e não de maneira líquida em nossas mãos.

Exemplo:
Dada uma taxa Selic de 10%, aceito investir em uma empresa com uma taxa de risco de 5% e uma taxa de disponibilidade de 3%. Logo a TMA seria : 10% + 5% + 3% = 18%.

É importante encontrar aqui um valor que seja compatível com a realidade pois como estes números são muito arbitrários, o que pode gerar distorções muito grandes se o tempo de análise for grande.

Existem alguns estudiosos que utilizam uma fórmula matemática para encontrar o valor da taxa de risco. Como o método não é muito complicado, acho que vale a pena utilizarmos, ao menos para os ativos da bolsa de valores.

Vários autores utilizam para o cálculo do risco o coeficiente de variação, que pode ser encontrado através da fórmula:

Coeficiente Variação = 100 * (Desvio Padrão / Média Simples)

Para o mercado variável, podemos utilizar como dados de entrada os valores das ações, FIIs e demais ativos. Contudo, vale lembrar que, quanto maior o tempo analisado do ativo, maior é o risco (nada espantoso, visto que quanto maior o tempo de investimento em um ativo, maior é o seu risco).

Exemplo: Se analisarmos o valor do Ibovespa do começo deste ano até hoje, teríamos uma taxa de risco de 4,68%. Agora se o período for do começo de 2013 até agora a taxa de risco seria de 7,96%.

Já para a taxa de oportunidade, é algo muito mais relativo. Algumas empresas trabalham com esta taxa entre 0% a 1%. Como estamos analisando a taxa de oportunidade financeira e/ou econômica é mais difícil encontrarmos um valor interessante que tenha como base um estudo ou fórmula.

Além da TMA, também é importante falarmos sobre fluxo de caixa e qual será e suas possíveis análises.

Fluxo de Caixa

Exemplo de Fluxo de Caixa
O fluxo de caixa é onde vamos nos basear para fazer todo o estudo.
Porém existe algo que devemos prestar muita atenção, e que pode levar-nos a valores totalmente diferentes.

Quando falamos de fluxo de caixa, temos sempre que analisar em que visão será feito o fluxo. Isso é muito importante visto que um fluxo de uma empresa é totalmente diferente do fluxo do investidor. Por conta disso deve-se definir qual visão utilizar e assim SEMPRE fazer o fluxo de caixa baseado neste olhar.

Alguns investidores gostam de analisar o fluxo de caixa deles, sendo assim, é importante verificar o quanto a empresa irá te retornar em pró-labore, dividendos, juros sobre capital próprio, bonificações, entre outros. Existem os que utilizam a visão da empresa, para eles, o importante é sempre verificar o lucro líquido do período, o LPA, o EBITDA dependendo da análise que está sendo feita. Eu sinceramente gosto de analisar visando a empresa como um todo e utilizar para isso o lucro por ação, ou o lucro líquido.

Após estas pré informações, vamos falar dos métodos de avaliação econômica de investimentos, mas somente na próxima postagem.

segunda-feira, 12 de maio de 2014

As verdades sobre os investimentos

Escrito por with 11 comentários
Desculpe, mas...

1. Dizer "vou ser ganancioso enquanto os outros estão com medo" é mais fácil do que fazer.

2. Há uma grande diferença entre uma boa empresa e um bom investimento

3. O mercado sempre passa por uma retração todo o ano e por uma grande a cada década. Se acostume com isso, ele sempre foi assim.

4. Não há prestação de contas na área de comentários financeiros. Pessoas que sempre erraram em suas análises ainda atraem multidões.

5. Como Erik Falkenstein disse, "No tênis profissional, 80% dos pontos são ganhos, enquanto no amador, 80% são perdidos. O mesmo vale para qualquer esporte, até no xadrez e nos investimentos: Os iniciantes devem se concentrar em evitar erros, os especialistas de fazerem grandes movimentos".

6. Há dezenas de milhares de profissionais gestores de finanças. Estatisticamente, vários deles foram bem sucedidos por acaso. Quais? Não sei, mas muitos deles são famosos.

8. Existem alguns investidores que chamamos de "lendários" que possuem pouco dinheiro, porém eles conseguem performar melhor do que vários índices financeiros ao longo de suas carreiras. Em Wall Street, grandes riquezas não são sinal de grandes retornos.

9. Quanto mais um investimento se mostra confortável (lê-se bons retornos e baixo risco), mais ele irá te decepcionar.

10. Hora da dica para salvar seu dinheiro: Ao invés de você comprar ações do tipo "penny stocks", pegue seu dinheiro e jogue no fogo. O mesmo para compras de ETFs de maneira alavancada.

11. Ninguém no mundo sabe o que o mercado irá fazer no curto prazo. Fim da história.

12. O analista que fala sobre seus erros são os que devem ser ouvidos. Evite aqueles que não fazem isso.

13. Você não entende os balanços dos bancos. Nem as pessoas que os fazem ou os contadores.

14. Nos próximos 50 anos, teremos aproximadamente 10 recessões. Não fique espantado quando elas vierem.

15. Antigamente, havia uma hora de informações sobre o mercado na televisão. Hoje são mais de 18 horas. O que mudou não foi o volume de notícias, mas a quantidade de baboseiras.

16. Os melhores retornos de Warren Buffett foram conseguidos quando o mercado não era tão competitivo. É difícil imaginar alguém conseguir quebrar o seu recorde de 50 anos.

17. O que nos é ensinado na escola sobre investimentos é um absurdo. Existem muito poucos professores ricos.

18. Quanto mais uma pessoa está na televisão, mais difícil é que suas previsões se concretizem.

19. Relacionado ao item a cima: Não acredite em ninguém que aparece mais de duas vezes por semana na sua televisão.

20. O mercado não está nem ai para o preço que você pagou por uma ação, por sua casa, ou o que você acha que é preço justo.

21. A maioria das notícias do mercado não é só inútil, como também faz mal a sua saúde financeira.

22. Os investidores profissionais tem acesso a informação mais rápido do que você e tem computadores mais potentes que o seu. Você nunca irá ganhar deles em uma negociação no curto prazo. Não adianta tentar.

23. A experiência de um gerente financeiro no mercado não quer dizer nada. Muitos tem uma performance ruim por anos. A maioria é assim.

24. As reduções de custos de corretagem é a pior coisa para alguns investidores, pois fazem com que as negociações sejam mais frequentes. Os custos altos de corretagem fazem com que as pessoas pensam muito bem antes de iniciarem uma transação.

25. A carreira de investidor profissional é uma das mais difíceis para se obter sucesso. Porém não tem muitas barreiras e não exige credenciais.  Isso cria uma legião de especialistas que não fazem ideia do que estão fazendo.

26. IPOs irão acabar com você sempre. Pense nisso, pessoas que sabem mais que você estão querendo vender suas empresas, eles não irão vender por menos do que valem.

27. Quando alguém menciona sobre gráficos, curvas de tendência, padrões ombro-cabeça, saia de perto.

28. A frase "recessão dupla" foi mencionada 10.8 milhões de vezes em 2010 e 2011, de acordo com o Google. Não havia praticamente nenhuma menção de "colapso financeiro" em 2006 e 2007. E aconteceu.

29. A taxa real de juros do Tesouro nos últimos 20 anos é negativa, e os investidores despejam bilhões de reais neles. O medo pode ser uma força muito maior do que a aritmética.

30. O livro "Onde estão os clientes dos Yatchs?" foi escrito em 1940, mas ainda não descobriram que os investidores não tem os interesses voltados para o coração.

31. Os índices de baixo custo de administração foram as coisas mais inteligentes já criadas. Chatos, mas bonitos.

32. Os melhores investidores do mundo sabem mais de psicologia do que sobre finanças.

33. Todos os mercados, no dia-a-dia, são movimentados ao acaso. Tentar encontrar explicações para os movimentos de curto prazo é como tentar acertar os números da loteria.

34. Para a maioria, encontrar maneiras de economizar dinheiro é mais importante do que encontrar grandes investimentos.

35. Se você tem dívidas no cartão de crédito e está pensando em investir em algo, pare! Você nunca conseguirá um retorno anual de mais de 100%.

36. A recompra de ações são apenas compensações por conta das ações emitidas para a gestão. Os gestores ainda dizem que as recompras são "retornos ao acionistas".

37. As chances de que uma empresa conhecida é insolvente e que está se escondendo atrás de uma contabilidade fraudulenta é alta.

38. Daqui a vinte anos a Bovespa não vai se parecer em nada com o que é hoje. Empresas quebram e outras surgem.

39. A doze anos, a General Motors estava no topo do mundo, enquanto a Apple era ridicularizada. Uma mudança como essa ocorrerá na próxima década, mas ninguém sabe com quem.

40. As empresas deviriam ficar menos focado no congresso, nas reservas federais e nos presidentes, e começar a se focar mais na má gestão financeira.

41. Para muitos, uma casa é uma grande responsabilidade que até parece um ativo seguro.

42. O presidente tem muito menos influência na economia do que as pessoas pensam.

43. Indiferente do valor que você pensou para sua aposentadoria, dobre-o. Agora sim você está mais perto da realidade.

44. A próxima recessão nunca será como a última.

45. Lembre-se das palavras de Buffett. "Primeiro vem os inovadores, em seguida, vem os imitadores, e por último os idiotas".

46. E o que Mark Twain disse. "Uma mentira consegue dar a volta ao mundo enquanto a verdade está ainda calçando o tênis".

47. Não podemos esquecer também o que Marty Whitman disse. "Raramente, mais que três ou quatro variáveis contam, o resto é tudo ruído".

48. Quanto maior for a fusão, maior a probabilidade de dar errado. CEOs adoram criar império comprando empresas acima de seu real valor.

49. Investimentos que oferecem pouca análise mas que possuem grande desvantagens superam os de características opostas. Pelo menos de 10 para 1.

50. As empresas mais chatas, que produzem comida, pasta de dentes, parafusos e cigarros, podem fazer alguns dos melhores investimentos no longo prazo. A mais inovadora, um dos piores.

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Os Segredos Financeiros dos Amish

Escrito por with 7 comentários
Para quem nunca ouviu falar deles, os Amish são um povo religioso cristão anabatista que vivem em sua maioria nos Estados Unidos e no Canadá. Conhecidos pelos seus costumes conservadores e de repúdio a tecnologia como eletrônicos e carros. São normalmente conhecidos por serem simples e terem dedicação a família e as tradições, porém, o que ninguém sabe é que eles manejam o dinheiro tão bem quanto manejam as terras. De acordo com o site AmishAmerica.com, é comum encontrar Amish milionários.

Mas qual o segredo que este povo possui e que nós não conhecemos? É o que vamos ver a seguir...

Amish valorizam mais a experiência do que bens materiais

Primeiramente, por conta de sua cultura, eles não gastam com eletrônicos desnecessários. Quando entram no supermercado, levam somente o que precisam, nada de gastos com coisas supérfluas. Os Amish possuem uma visão para o longo prazo sempre.

Ao invés de comprar transloucadamente como a maioria da população faz para se divertir, os Amish preferem gastar seu dinheiro com outras coisas, como por exemplo, acampar e caçar por algumas semanas, fazer festas, visitar outras colônias... enfim, preferem o prazer da experiência de vida ao invés do prazer nos bens materiais.

São grandes poupadores. Guardam em média 20% do salário

Para se ter uma ideia, os americanos guardam apenas 6% do ganho mensal, com certeza é mais do que a média dos brasileiros.

Craker, autor do livro "O Segredo do Dinheiro dos Amish", conheceu um Amish que gerenciava uma conta de U$400.000,00 que conseguiu juntar em vinte anos, enquanto cuidava da fazenda e da sua pequena família que era constituída por ele, a mulher e seus 14 filhos. Vale ressaltar também que a fazenda era dele, assim como a casa e todos os seus bens.

Quando foi perguntado para outro homem do vilarejo sobre o por que dele guardar 20% do seu salário, Craker ouviu, "Gosto da sensação de acordar um pouco mais rico toda manhã por conta dos juros da minha poupança do que mais pobre por causa dos juros das minhas contas".

Odeiam dívidas e evitam os cartões de crédito

Alguns Amish menos tradicionais utilizam cartões de crédito, porém ainda assim, odeiam dívidas.

Em grande parte das vezes, os Amish utilizam o dinheiro em espécie para fazer suas aquisições, mesmo que o valor desta aquisição seja alto. Eles preferem pagar tudo à vista pois assim sabem que não terão dor de cabeça no outro dia.

Ao indagar um homem sobre este fato, Craker ouviu uma simples frase, "Gostamos de pagar tudo à vista pois gostamos de colocar a cabeça no travesseiro e dormir tranquilamente. Não conseguimos fazer isso sabendo que estamos devendo dinheiro para alguém".

Só para mostrar um pequeno contraste... Enquanto os Amish não possuem cartão de crédito ou quando possuem é apenas um, a média dos americanos ficam em 4 cartões com um crédito total de U$16.000,00.

Ao invés de recorrer ao crédito, eles preferem trabalhar o dobro quando o dinheiro fica apertado

Craker disse que os Amish são totalmente voltados a família e a comunidade, e que são um povo muito engenhoso.

Quando o dinheiro de alguma família fica apertado, o pai arranja um trabalho extra, mesmo que para isso precise aprender a construir algo, ou que necessite trabalhar durante 16 horas por dia. As mulheres também ajudam, vendendo alguns alimentos ou flores para mercados para ganhar um dinheirinho extra.

O problema é que este caminho não é fácil, muito pelo contrário, é penoso mas sabem que é melhor do que recorrerem ao crédito como a maioria da população americana faz.

E quando necessitam se endividar, tornam o pagamento como uma obrigação moral e assim o fazem o mais rápido possível

Os Amish, ao contrário de muitas pessoas, levam a dívida de maneira pessoal, ou seja, acreditam que é uma obrigação não somente monetária mas moral de pagar aquela dívida.

Eles são tão regrados que muitos bancos olham os Amish com outros olhos, pois sabem que um empréstimo para eles com certeza será honrado e a chance de calote é quase inexistente. Existem algumas comunidades Amish que quando necessitam de um empréstimo para a aquisição de terras agrícolas ganham um crédito adicional do banco, para compra de materiais para o plantio, sem juros nenhum.

Apesar da realidade deste povo, quando olhamos o povo americano como um todo a coisa muda de figura. Apesar da quantidade de pessoas que possuem a conta bancária vermelha tenha diminuído ao longo do tempo, aqueles que possuem dívidas estão com elas maiores, criando assim um aumento no calote.

São excelentes comerciantes e seus produtos são de alta qualidade e com demanda

Apesar de muitos dos Amish trabalharem com cultivo de frutas, verduras e legumes, existem aqueles que entram em outras áreas como construção civil, manufatura de partes de metal e construção de imóveis.

São conhecidos pela alta qualidade de seus produtos, que consequentemente possuem alta demanda. De acordo com o jornal TODAY, os Amish já nascem com esta marca registrada de bons comerciantes, produtores e manufatureiros. Lógico que existem alguns que são um ponto fora da curva, mas na maioria das vezes a qualidade está aliado a eles.

Contudo, eles não são a prova de recessões. Muitos deles tiveram problemas na última crise e passaram maus bocados, porém conseguiram se reerguer facilmente.

São proprietários de pequenos negócios, e possuem uma taxa de 95% de sucesso

Nos Estados Unidos, metade das empresas fecham suas portas nos primeiros cinco anos. No Brasil, a maioria termina antes mesmo do segundo ano de vida. Os Amish, conseguem manter um pequeno negócio a uma taxa de 95% de sucesso.

A chave do sucesso destes empresários se dá pela ênfase na pequena escala e na vontade de trabalhar ao lado do empregado. "Quando você possui laços positivos com seus empregados, é mais difícil seu negócio dar errado", disse um empresário Amish.

Wesner, outro autor do mesmo livro de Craker, disse que "muitas vezes os donos das lojas não estão fora do local, estão ali. De algum modo isso gera uma credibilidade para os empregados".

Raramente desperdiçam algo e reciclam a níveis inimagináveis

Se a roupa que utilizam não está muito curta, então eles passam para os menores. Caso contrário, eles cortam em tiras para se fazer colchas ou tapetes de pano.

Outro exemplo é que a comida que não é utilizada, é transformada em adubo para as plantas do fazenda. Potes e vasilhas também são reaproveitados. Eles reciclam tudo utilizando a ideia de "pensamento verde", ou seja, sempre pensando em como utilizar aquilo pela terceira ou quarta vez. Vale lembrar também que isso ajuda na diminuição das despesas no final do mês.

Sempre que possível compram no atacado

Por conta da família média de um Amish ser de seis a oito filhos, eles sempre compram comida no atacado. É comum comprarem sacos de 50 quilos de aveia, 100 quilos de farinha, e 150 quilos de açúcar.

Porém para uma família brasileira normal que possui um espaço limitado, normalmente moradores de apartamentos é mais difícil pensar em aquisições no atacado. Contudo, uma família de pai, mãe e um filho pode vir a poupar R$100,00 por mês em compras no atacado.

Em resumo, podemos dizer que os Amish podem nos ensinar muita coisa em matéria de Finanças Pessoais. Contudo, sabemos que nunca iremos nos igualar a eles, devido principalmente a diferença de cultura.

Uta!

terça-feira, 6 de maio de 2014

Debate do Blog dia 06/05/14 – Terça às 22h

Escrito por with 12 comentários
O esperado Hangout Mensal será nessa Terça-feira dia 06/Maio às 22h

Presenças Confirmadas:

Tetzner, Baroni, Gama, Ricardong, Smallcaps, Ricardo, Leandro, Rodrigo, PauloAlf, Estagiário

Aguardando confrmação:

Conejo10, Uó, Arthur, Soulsurfer

Ao vivo
https://www.youtube.com/watch?v=_bkA9WLawsk&feature=youtu.be

Lembrando que esta postagem não é patrocinada, apenas estou divulgando o hangout onde participarei juntamente com todos os demais amigos acima para discutirmos sobre investimentos.

Índice Estagiário de FIIs [Abr/14]

Escrito por with Sem comentários
Fechamento do Índice Estagiário de FIIs de Abril de 2014.

O índice performou +1,15% no período, enquanto o IFIX chegou a bater +1,72% .

Os papéis que mais caíram no período foram:
HTMX11B: 6,23%
HCRI11B4,58%
RBRD11: 3,41%

Os papéis que mais subiram foram:
EDGA11: 8,33%
FLRP11B: 6,52%
MAXR11B: 3,81%

Com relação aos rendimentos, o mês de obteve proventos de 0,77%. Abaixo segue as informações detalhadas:


Os ativos que menos representaram os proventos foram:
FLRP11B: 0,00
FVPQ11: 149,04
MAXR11B: 247,38


Os papéis que mais presentaram os proventos foram:
HTMX11B: 541,80
BPFF11B: 511,73
HGLG11: 487,50

Uta!