Uma vez estagiário, sempre estagiário.

domingo, 20 de abril de 2014

Inflação, a corrosão do seu patrimônio

Escrito por with 10 comentários
Me lembro de quando tinha meus seis/sete anos, quando ia na mercearia perto de casa, com uma nota de cinco reais, e saia de lá, com uma Coca-Cola de dois litros, cinco pães, algumas fatias de mortadela, e dez Babbaloos. Hoje, não consigo comprar nem dois litros do mesmo refrigerante com uma nota do mesmo valor. Isso se dá a uma coisa chamada inflação.

De acordo com o Wikicionário, inflação significa:
[...] desequilíbrio econômico caracterizado pelo crescimento anormal dos meios de pagamento em relação às necessidades de consumo, com a consequente redução do poder aquisitivo da moeda e alta geral dos preços.
Em outras palavras, é o aumento do preço de todos os produtos e serviços, criando assim uma desvalorização do dinheiro. Na prática, isso significa que cem reais hoje valem mais do que cem reais daqui a alguns anos.

Nós sabemos que o Brasil sofreu com a inflação durante o período pré-real, porém será que depois da implantação da nova moeda estamos seguros contra este mal? É lógico que não!

Vamos fazer uma pequena análise utilizando os dados encontrados no site www.portalbrasil.com.br. Neste local é possível encontrar o histórico do índice IPCA, utilizado para calcular a inflação mensal aqui no Brasil. Neste estudo, irei utilizar os dados de Agosto de 1994 a Março de 2014, um período de quase vinte anos.

Neste período temos grande oscilação na inflação, de apenas 1,66% em 1998 a 22,41% em 1995. Para ficar fácil a visualização dos valores, vamos imaginar que um trabalhador receba R$1.000,00 por mês, e que este valor fique congelado até hoje. Vamos supor também, que este trabalhador consiga comprar por R$1,00 um litro de leite e que o mesmo será reajustado de acordo com a inflação ao longo do período.

Em agosto de 1994 este trabalhador conseguirá comprar então 1.000 litros de leite. Porém, em Dezembro do mesmo ano será possível comprar apenas 901 litros. De Agosto a Dezembro de 1994 a inflação foi de 10,98%.

Então chega 1995, e Fernando Henrique Cardoso assume à Presidência da República do Brasil, mesmo ano em que o Yahoo! foi criado. No final do ano nosso amigo iria comprar somente 736 caixas de leite. Cada caixa sairia por R$1,35 e o poder de compra do trabalhador ficaria em R$736,14.

Chega 1996, e a morte de Carl Sagan e Tupac Shakur. Em 1997 temos uma queda dramática da bolsa de valores de Hong Kong. Em 1998 Fernando Henrique se reelege, e em 1999 temos o Euro sendo transicionado em onze países. O ano 2000 foi marcado por diversos "apocalipses" e Putin foi eleito presidente da Rússia. Neste ano nosso comprador de laticínios conseguirá adquirir apenas 544 caixas de leite, com o produto custando R$1,83, os R$1.000,00 agora valem apenas R$544,06.

No final de 2002, a caixa de leite custará mais que o dobro do valor, chegando a R$2,23. O poder de compra do assalariado que ganhava mil reais em 1994, será de apenas R$449,03. Em 2008 o valor do litro de leite custará três vezes mais que no período inicial, chegando a R$3,16 no final do ano. O poder de compra do trabalhador será de míseros R$316,61.

Depois de quase vinte anos, hoje os mil reais de 1994 conseguiriam comprar apenas 234 litros de leite, com o litro custando R$4,25, o poder de compra de R$1.000,00 chega a pouco menos de R$235,00.

Em vinte anos nós tivemos uma inflação acumulada de 325,63%. Por este motivo que temos que cuidar de nosso dinheiro e investir, para que consigamos ao menos suprir esta queda de valor.

Concluindo...
É necessário o aporte do dinheiro em investimentos que consigam ao menos ultrapassar o valor da inflação para que não tenhamos perdas de valores. Com isso, deixamos claro que, guardar dinheiro em baixo do colchão não é uma boa ideia devido a sua desvalorização no tempo. O investimento na poupança pode ser uma saída para evitar a desvalorização, apesar de ter uma boa rentabilidade. O que temos que ter em mente é que temos que investir, para que nosso dinheiro não perca o valor no tempo.

Uta!

10 comentários:

  1. Inflação... 0,9 mês passado... É foda. Meu dinheirinho do colchão que tá na poupança já tá valendo menos. É uma praga isso aí e o PT ainda dá uma ajuda nela, fica pior ainda. Realmente é um dos piores temores do investidor.
    Grande Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Thales,

      Pois é, o nosso governo está acabando com a economia e consequentemente ferrando todos os investidores.

      Uta!

      Excluir
    2. Fiz uma média aqui da inflação acumulada no governo FHC, e deu 12,5% a.a, Governo Lula 7% a.a, e o governo Dilma até dez 2013 6,5% a.a!
      A inflação ainda não está em um patamar adequado, se compararmos a países economicamente estáveis, mas tem melhorado ao longo dos anos!

      Excluir
    3. Melhorado? Tem sido mascarado ao longo dos anos. Tiram alimentos colocam outros...fazem jogadas contábeis para não dar um valor tão alto...etc...

      Irá melhorar ao longo dos anos a partir do momento que houver interesse em melhorar a infraestrutura do país...

      Excluir
    4. Forreta está certo II,

      O governo da Dilma está tentando a qualquer custo diminuir a inflação através da porrada.
      Veja só o caso do Petrobrás que não faz alterações nos valores da gasolina e quando o faz é irrisório, e a dedada que fizeram nas elétricas também. Tudo para forçar a queda da inflação na basa da força.

      O problema é que este tipo de intervenção governamental não é saudável, porque a corda vai estourar sempre de um lado.

      uta!

      Excluir
  2. Muito bom seu texto, Estagiário... parabéns.

    Lembro de meu pai receber seu salário e na mesma noite irmos correndo ao supermercado buscar a compra para o mês inteiro... supermercado lotado e os estagiários carimbando seus produtos com a etiquetadora.

    Mas hoje vejo que cada pessoa tem que criar o seu próprio IPCA, não podemos nos basear no IPCA-Brasil... você compra determinados produtos todo o mês que talvez nem façam parte nas contas desse IPCA-Brasil ...O que falo é que você deve guardar o valor dos produtos que você consome no seu "cesto pessoal" e vai comparando mês após mês... no final você faz a conta e vai ter o valor da sua verdadeira inflação, que te acompanha ao seu lado dia após dia....

    Que diferença te faz se a inflação (IPCA-Brasil) hoje é 1% ao mês se você compra produtos que inflaciona a 0.2% ? Por exemplo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Complementando, é claro que se o seu próprio IPCA for superior ao IPCA-Brasil, é hora de rever os produtos que você compra....

      Pelo menos costumo ir acompanhando a inflação dessa forma...

      Abraços!

      Excluir
    2. Olá Forreta,

      Realmente, se fizermos o nosso próprio IPCA é melhor do que se formos utilizar os índices gerais.
      O problema é que normalmente as pessoas vão ao mercado e não tendem a verificar o preço das coisas. O que eu acredito que seja interessante é ir anotando os gastos mensais no mercado. Tirando alguma comprinha diferente aqui ou ali, os produtos são os mesmos. :)

      Uta!

      Excluir
  3. Fala estagiário, excelente texto.

    Logo após a definição de inflação do Wikicionário vc comentou que a inflação é o aumento do preço de todos os produtos e serviços, criando assim uma desvalorização do dinheiro.

    Também achava isso, porém na Curso de Economia estou vendo que é diferente. Como o Wiki comentou, primeiro vem o aumento dos meios de pagamento e depois o aumento dos preços devido ao excesso de dinheiro em relação aos produtos.

    Isso muda tudo, pois aí vemos que a "culpa" da inflação é de quem comanda a impressão da moeda.

    O Clube Vienna fez uma postagem bem interessante sobre o assunto.

    Abraços.
    Ludyson - Ganhando Muito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ludyson,

      Existem várias definições para inflação, dentre elas estão a que você e a wiki comentaram, que o aumento do pagamento cria-se o aumento dos preços devido a maior quantidade de dinheiro na mão do comprador final.

      O problema é que essa ideia é no mundo perfeito, onde teríamos a impressão do dinheiro e os gastos seriam constantes de todas as benfeitorias. Como existem fatores externos que implicam no valor dos produtos e serviços, não podemos definir em um modelo real desta forma.

      Por isso que, muitos pensadores utilizam a frase "aumento generalizado dos preços" para definir também a inflação, e que na verdade está faltando também um outro ponto.

      Existe um professor da USP de São Paulo que comentou uma vez em uma palestra assisti o seguinte: "Inflação é, o aumento generalizado dos bens e serviços de modo que, este aumento não crie nenhuma incoerência com oferta e demanda". Acho que essa frase é a que realmente explica 100% o que é inflação.

      Uta!

      Excluir