Uma vez estagiário, sempre estagiário.

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Analisando o P/L na prática utilizando o Tesouro Direto

Escrito por with 6 comentários
A algumas postagens atrás mostrei com podemos utilizar a análise do P/L para encontrar quais as melhores ações comprar em um dado momento.

Nesta postagem irei mostrar como podemos utilizar esta estratégia para encontrar o melhor papel para se investir no Tesouro Direto.

Para tentar ser o mais realista possível vou utilizar os dados do IPCA e SELIC do período analisado, que vai de fevereiro de 2009 a dezembro de 2013, tendo assim um período de 59 meses.

O teste tomará como base que todos os papéis irão vencer de 2013 com um valor final de R$1.000,00. Será feita a taxa de desconto do período utilizando-se os valores de indexação de cada papel.

A partir dessas informações foram colhidos os seguintes dados:

Teste nº 1 - Valores próximos aos reais
Valor da taxa pré-fixada : 11,00% a.a.
Valor da taxa de IPCA : IPCA + 6,5% a.a.
Valor da taxa SELIC : SELIC - 1% a.a.


Conclusão:
No cenário analisado, quem comprasse somente papéis atrelados ao IPCA teria mais lucro do que a estratégia. Contudo, a estratégia conseguiu performar melhor do que os papéis pré-fixados e atrelados a SELIC. No final do período teríamos uma carteira composta de 8 papéis pré-fixados, 28 papéis indexados pelo IPCA e 23 papéis indexados pela SELIC.

Teste nº 2 - Leve alteração do retorno
Valor da taxa pré-fixada : 11,50% a.a.
Valor da taxa de IPCA : IPCA + 5,0% a.a.
Valor da taxa SELIC : SELIC - 0,5% a.a.

Conclusão:
Em um cenário onde o IPCA teria um menor retorno e os papéis atrelados a SELIC e os pré-fixados tivessem uma alta de 0,5% cada, a estratégia ainda teria o segundo maior retorno, perdendo apenas para os papéis pré-fixados. No final do período teríamos 8 papéis pré-fixados, 28 atrelados ao IPCA e 23 atrelados a SELIC.

Teste nº 3 - Inflação e Juros galopantes
Valor da taxa pré-fixada : 20,00% a.a.
Valor da taxa de IPCA : IPCA + 14,0% a.a.
Valor da taxa SELIC : SELIC + 9,5% a.a.

Conclusão:
Neste cenário teríamos uma inflação e juros altíssimos. Este teste está muito longe da realidade do Brasil, contudo é interessante analisá-la para podermos verificar a eficiência da estratégia em momentos de alta do juros. Mesmo neste cenário a estratégia continua sendo a segunda melhor dentre todas as quatro. Desta vez, perdendo apenas para os papéis atrelados a SELIC. Neste caso, teríamos 25 papéis atrelados ao IPCA, 22 a SELIC e 12 papéis pré-fixados

Teste nº 4 - Inflação e Juros baixíssimos
Valor da taxa pré-fixada : 7,00% a.a.
Valor da taxa de IPCA : IPCA + 1,5% a.a.
Valor da taxa SELIC : SELIC - 2,5% a.a.

Conclusão:
Em uma realidade de juros baixíssimos podemos verificar que a estratégia teve a melhor performance dentre todas as quatro, dando ainda mais credibilidade a estratégia. No final do período teríamos 29 papéis atrelados ao IPCA, 10 a SELIC e 20 pré-fixados.

Dando uma nota de um a quatro, sendo quatro a primeira colocada e um a última colocada, teríamos o seguinte ranking:

1º - Estratégia : 13 pontos
2º - IPCA : 10 pontos
3º - SELIC: 09 pontos
4º - Préfixado : 08 pontos

Isso significa que, comprar analisando-se o P/L dos ativos em diferentes cenários se mostrou melhor do que investir somente em apenas um tipo de ativo. Isso demonstra que a estratégia é válida também para ativos de renda fixa.


Uta!

6 comentários:

  1. P/L para TD, você inovou, rs.
    Cara, acho que escolher um bom título para compra em um determinado cenário é uma das coisas mais complicadas do mundo. Acabei desistindo destas simulações e fiquei apenas com a NTNB Principal.
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uó,
      O problema da NTNBP é que você está muito exposto a inflação. Ok, hoje ela está bem razoável, o problema é no médio prazo, se ela cair. Por isso que acho que um mix de papéis é interessante. O mesmo vale para 100% em pré ou em SELIC.

      :)

      Uta!

      Excluir
  2. Estagiário

    porque haveria exposição significativa em cenários de baixa inflação para o NTNB? Se a inflação for baixa, sei lá, 2% a.a., eu receberia 2%+7% (em um título comprado hoje). Naturalmente que os pré-fixados terão um resultado muito melhor em termos de inflação baixa (13% a.a. em preços de hoje). Mas o título NTNB de inflação + juros reais equilibra isso. O problema que acho da NTNB é a manipulação da inflação...

    ResponderExcluir
  3. Por este motivo mesmo lusitano.
    um mix de ativos pondera esta risco garantindo para voce uma taxa interessante tanto em momentos de inflacao alta como baixa. o mesmo serve para a taxa basica de juros. colocar seu dinheiro somente em ativos atrelados a inflacao aumenta o risco. cabe ao investidor ter certeza se eh isso mesmo que ele deseja.

    ResponderExcluir
  4. Por este motivo mesmo lusitano.
    um mix de ativos pondera esta risco garantindo para voce uma taxa interessante tanto em momentos de inflacao alta como baixa. o mesmo serve para a taxa basica de juros. colocar seu dinheiro somente em ativos atrelados a inflacao aumenta o risco. cabe ao investidor ter certeza se eh isso mesmo que ele deseja.

    ResponderExcluir
  5. Estag,

    Método interessante. Tenho a impressão até que para RF pode ser mais efetivo ainda que para RV. Apesar de perceber que as diferenças não sejam tão significativas assim. Por outro lado, há uma variável que não foi considerada que é o fato de os títulos não vencerem na mesma data, portanto os resultados podem ser distorcidos, dificultando a conclusão.

    Parabéns pelo estudo.

    Abraços,

    Blog Economicamente Incorreto
    http://economicamenteincorreto.blogspot.com.br

    ResponderExcluir