Uma vez estagiário, sempre estagiário.

domingo, 19 de janeiro de 2014

Analisando o P/L na prática

Escrito por with 8 comentários
Nas últimas postagens mostrei como podemos utilizar o P/L para decidirmos em qual empresa aportar. Esta postagem tem como objetivo mostrar como esta estratégia se comporta na prática.

A metodologia


Para utilizar como exemplo, busquei comparar três empresas, BBAS3, CRUZ3 e LEVE3. Essas empresas são de setores diferentes, apresentam diferentes características, a única coisa que compartilham de igual é que são hoje as melhores empresas em seus respectivos setores.

Utilizei o site Exame para buscar o histórico de cotação e o site Fundamentus para encontrar buscar o histórico dos lucros trimestrais. Para este estudo vamos analisar um período de sete anos (de 2007 a 2014).

Tabela com os valores analisados
Na tabela acima podemos encontrar os valores utilizados neste estudo.
Para manter uma constância nos valores, foi pego o preço dos ativos no primeiro pregão de cada mês.

O resultado


O resultado encontrado depois da análise foi:

Foram feitas 80 compras em 80 meses.
  • 27 compras de CRUZ3
  • 45 compras de BBAS3
  • 08 compras de LEVE3

O preço médio dos ativos ficou em:
  • CRUZ3 : R$14,58 - Média do período : R$15,55
  • BBAS3 : R$22,83 - Média do período : R$22,83
  • LEVE3 : R$17,81 - Média do período : R$22,70

O P/L médio no final do período foi de:
  • CRUZ3 : 29,56 - Média do período : 31,14
  • BBAS3 : 3,87 - Média do período : 3,93
  • LEVE3 : 16,47 - Média do período : 19,88

A conclusão

Depois de analisado o resultado podemos concluir que está técnica pode ser utilizada para encontrar a melhor oportunidade de compra em um determinado momento entre dois ou mais ativos.

Utilizando a técnica de buscar o menor P/L na hora da compra, pudemos ter um preço médio entre 0,00% a 21,54% menor se os ativos fossem adquiridos todos os meses. Também teremos um P/L mais atrativo do que a  compra mensal de todos os ativos. Os valores encontrados ficaram entre 1,52% a 17,15% menores.

Com um P/L e preços médios menores do que a média no período, podemos dizer que a carteira que foi criada com esta estratégia possui um melhor rendimento, mostrando que a utilização desta técnica é válida para os investidores que fazem aportes mensais.


Uta!

8 comentários:

  1. Fala EI! Quais foram os gatilhos para compra?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá IR,

      O ativo comprado seria aquele que tivesse a menor variação positiva ou a maior variação negativa do P/L.
      Neste caso, para simplificar o modelo, a variação se dá pelo P/L do mês anterior comparado ao P/L do mês corrente.

      Uta!

      Excluir
  2. Será que ficaria interessante compras quando o P/L cruzasse sua própria média móvel para cima e abaixo de determinado valor e vendas quando o P/L cruzasse sua própria média móvel para baixo e acima de determinado valor?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá iTradeSys,

      Seria também interessante, mas neste caso e quando não os papéis não entrassem nestes gatilhos ? Qual escolher ?

      Uta!

      Excluir
    2. Se não houver oportunidade boa de compra, não compra. O dinheiro poderia ir para um fundo de renda fixa de liquidez diária, ou algo do tipo. Na próxima oportunidade, compra o que ficou acumulado no fundo, obedecendo limites de concentração de cada papel, estipulado na carteira. Bom, é só uma hipótese que pode valer a pena fazer o backtesting.

      Excluir
    3. Olá iTradeSys,

      Concordo que seria muito interessante, mas acredito que não seria interessante para o pequeno investidor.
      Acredito que a constância dos aportes seria o princípio da estratégia, deixar o dinheiro na conta da corretora ou em algum fundo não seria muito interessante ao meu ver. Neste caso, acho que seria interessante o aporte, caso não haja nenhuma boa oportunidade, no Tesouro Direto. Mas o problema desta análise seria quando houvesse poucos papéis a serem analisados, pois deste modo aumentaria a chance de se aportar na renda fixa, e quando houvesse vários papéis pois neste caso, poderia haver vários papéis sinalizados e que o investidor poderia colocar o seu aporte, podendo aumentar consideravelmente a quantidade de corretagens por mês.

      São pontos que devem ser avaliados nesta técnica, mas que eu acredito serem secundários, o conceito principal acredito que seja muito interessante iTradeSys. :)

      Uta!

      Excluir
  3. Estag,

    Muito interessante este estudo e me parece um bom método. Acho que valeria a pena publicar mais informações sobre o estudo para melhor entendimento.

    Uma observação importante é que o capital acabou ficando muito concentrado em apenas 1 ação, o que representa um aumento substancial do risco, pois se hoje por exemplo o BB cai forte o tombo fica perigoso, portanto me parece que haveria a necessidade de se estabelecer um bom método de controle de riscos.

    Um outro ponto importante é que o período de 7 anos é longo, mas ainda curto, portanto, principalmente no início, cada aporte faz muita diferença, causando uma variação maior.

    Por outro lado, calcular o percentual de variação do preço médio para um número pequeno de aportes como o caso da LEVE3 pode distorcer o resultado (o que aconteceu).

    Me parece que com um prazo maior, 10-15 anos, a variação da diferença tende a ser menor (proporcionalmente).

    Gosto muito deste tipo de estudo!

    Parabéns e obrigado por compartilhar.

    Abraços,

    Blog Economicamente Incorreto
    http://economicamenteincorreto.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá EI,

      Este método só pode ser feito com as ações que você está querendo comprar, por exemplo, você está em dúvida entre comprar a empresa X, Y ou Z. Você utiliza o método, comprou uma delas e agora está muito exposto a ela, retira da análise e deixa só duas.

      Fico feliz que tenha gostado do estudo. :)
      Não perca os próximos que virão :)

      Uta!

      Excluir